Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Exposição fotográfica relembra a glória do futebol soviético

© Sputnik / Mstislav BotashevSlava Metreveli, atacante da URSS, em foto de 1966.
Slava Metreveli, atacante da URSS, em foto de 1966. - Sputnik Brasil
Nos siga no
A Rússia também é terra de futebol. Muito antes da atual Copa da Rússia de 2018, o país foi celeiro de craques e acumulou títulos no futebol internacional. A seleção da antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) venceu uma Eurocopa (1960), duas Olimpíadas (1956 e 1988) e participou de sete Copas do Mundo.

Quem quiser revisitar episódios deste passado glorioso tem uma oportunidade especial: a exposição "Fome de gols", realizada na Reserva Cultural, em Niterói e em São Paulo, traz um acervo especial de fotos de craques e partidas importantes do período. Além das fotos, os restaurantes da Reserva Cultural também estão servindo pratos especiais da culinária russa.

O evento é organizado pela Agência Federal de Assuntos da Comunidade dos Estados Independentes, de Compatriotas no Exterior e de Cooperação Internacional Humanitária da Rússia (Rossotrudnichestvo), em parceria com a Agência de Notícias e a Rádio Sputnik.  

Soldado com a bandeira da OTAN - Sputnik Brasil
OTAN declara 'vitória' na Copa 2018 na Rússia
Há registros do primeiro e único goleiro a receber o prêmio de melhor jogador do mundo, Lev Yashin, e dos outros dois soviéticos que receberam o mesmo prêmio: Oleg Blokhin e Slava Metreveli.

Yashin, conhecido como "Aranha Negra", ficou famoso por revolucionar a posição de goleiro ao sair para cortar cruzamentos e não tinha medo de interceptar passes e chutes. Além disso, o próprio dizia que tinha um ritual antes dos jogos: um cigarro para "acalmar os nervos" e uma dose de vodka para "tonificar os músculos". Exímio pegador de pênaltis, Yashin também afirmou: "A alegria de ver Yuri Gagarin no espaço só é superada pela alegria de uma boa defesa de pênalti".

© Sputnik / Sergei Soloviov O lendário goleiro Lev Yashin, em registro de 1969.
O lendário goleiro Lev Yashin, em registro de 1969. - Sputnik Brasil
1/8
O lendário goleiro Lev Yashin, em registro de 1969.
© Sputnik . Mstislav BotashevSlava Metreveli, atacante da URSS, em foto de 1966.
Slava Metreveli, atacante da URSS, em foto de 1966. - Sputnik Brasil
2/8
Slava Metreveli, atacante da URSS, em foto de 1966.
© Sputnik / Aleksandr MakarovJogo entre as seleções olímpicas de futebol da URSS e da França. O soviético Ileg Romantsev e o francês Marius Trésor dividem a bola. Foto de 1980.
Jogo entre as seleções olímpicas de futebol da URSS e da França. O soviético Ileg Romantsev e o francês Marius Trésor dividem a bola. Foto de 1980. - Sputnik Brasil
3/8
Jogo entre as seleções olímpicas de futebol da URSS e da França. O soviético Ileg Romantsev e o francês Marius Trésor dividem a bola. Foto de 1980.
© Sputnik / Dmitry Donskoi Membro da seleção soviética de futebol Oleg Blokhin no ataque, em 1983.
Membro da seleção soviética de futebol Oleg Blokhin no ataque, em 1983. - Sputnik Brasil
4/8
Membro da seleção soviética de futebol Oleg Blokhin no ataque, em 1983.
© Sputnik / Mikhail OzyorskiPartida entre as seleções da URSS e da França em 1955. À frente, os capitães Igor Netto (esquerda) e Roger Marche (direita).
Partida entre as seleções da URSS e da França em 1955. À frente, os capitães Igor Netto (esquerda) e Roger Marche (direita). - Sputnik Brasil
5/8
Partida entre as seleções da URSS e da França em 1955. À frente, os capitães Igor Netto (esquerda) e Roger Marche (direita).
© Sputnik / Anatoly GaraninJogo entre as seleções da URSS e da Iugoslávia durante os Jogos Olímpicos de 1952, em Helsinque, na Finlândia.
Jogo entre as seleções da URSS e da Iugoslávia durante os Jogos Olímpicos de 1952, em Helsinque, na Finlândia. - Sputnik Brasil
6/8
Jogo entre as seleções da URSS e da Iugoslávia durante os Jogos Olímpicos de 1952, em Helsinque, na Finlândia.
© Sputnik / Yuri Somov.Jogo amistoso entre Argentina e URSS em 1961. Em primeiro plano, o jogador soviético Viktor Ponedelnik.
Jogo amistoso entre Argentina e URSS em 1961. Em primeiro plano, o jogador soviético Viktor Ponedelnik. - Sputnik Brasil
7/8
Jogo amistoso entre Argentina e URSS em 1961. Em primeiro plano, o jogador soviético Viktor Ponedelnik.
© Sputnik / Vladimir FedorenkoO atual técnico da seleção russa, Stanislav Cherchesov, jogando como goleiro pelo Spartak em partida contra o Lokomotiv, em 2002.
O atual técnico da seleção russa, Stanislav Cherchesov, jogando como goleiro pelo Spartak em partida contra o Lokomotiv, em 2002. - Sputnik Brasil
8/8
O atual técnico da seleção russa, Stanislav Cherchesov, jogando como goleiro pelo Spartak em partida contra o Lokomotiv, em 2002.
1/8
O lendário goleiro Lev Yashin, em registro de 1969.
2/8
Slava Metreveli, atacante da URSS, em foto de 1966.
3/8
Jogo entre as seleções olímpicas de futebol da URSS e da França. O soviético Ileg Romantsev e o francês Marius Trésor dividem a bola. Foto de 1980.
4/8
Membro da seleção soviética de futebol Oleg Blokhin no ataque, em 1983.
5/8
Partida entre as seleções da URSS e da França em 1955. À frente, os capitães Igor Netto (esquerda) e Roger Marche (direita).
6/8
Jogo entre as seleções da URSS e da Iugoslávia durante os Jogos Olímpicos de 1952, em Helsinque, na Finlândia.
7/8
Jogo amistoso entre Argentina e URSS em 1961. Em primeiro plano, o jogador soviético Viktor Ponedelnik.
8/8
O atual técnico da seleção russa, Stanislav Cherchesov, jogando como goleiro pelo Spartak em partida contra o Lokomotiv, em 2002.

O jornalista e pesquisador Emanuel Júnior ressalta que o futebol era visto com algum ceticismo pelos líderes soviéticos por ser um possível "instrumento de despolitização do proletariado" ao mesmo tempo que também era valorizado como ferramenta de desenvolver a cultura física. 

Kylian Mbappé comemora com Antoine Griezmann após marcar na vitória da França por 1 a 0 sobre o Peru - Sputnik Brasil
Cronista analisa final da Copa e o que faltou ao Brasil para chegar à decisão
Em 1936, foi inaugurado o Campeonato Soviético com times de diferentes repúblicas soviéticas como Ucrânia (Dinamo Kiev), Bielorrúsia (Dinamo Minsk) e Geórgia (Dinamo Tbilisi). Emanuel ressalta que o futebol soviético era um "catalisador de identidades nacionais" em uma União Soviética multinacional. 

"O sentimento nacional de cada povo fazia com que os clubes de Moscou fossem odiados pelos times e torcedores de fora da Rússia. Por isso, Dínamo Kiev, Dínamo Minsk, Dínamo Tbilisi e Ararat Yerevan, por exemplo, eram vistos como símbolos nacionais da Ucrânia, Bielorrúsia, Geórgia e Armênia, respectivamente", diz o pesquisador à Sputnik Brasil.

Os craques do futebol soviético não ganhavam salários astronômicos tal qual hoje — mas também não eram cidadãos comuns. Emanuel ressalta que formalmente todos os jogadores eram amadores, mas principalmente após o começo do campeonato soviético, os atletas puderam ter dedicação exclusiva ao esporte. 

"Os melhores jogadores, e também treinadores, eram disputados pelos principais clubes soviéticos. E, naturalmente, além de melhores salários, também eram persuadidos com ofertas de boas residências e carros. Os grandes clubes de Moscou levaram vantagem por muito tempo, até pela atração de estarem na capital e mais próximos ao poder central. Entretanto, a partir dos anos 1960, a figura dos patronos passou a ser cada vez mais influente em clubes de outras regiões.  A influência dos patronos por exemplo, foram determinantes para as fases áureas dos Dínamos de Kiev e Tbilisi, os únicos clubes soviéticos que conquistaram troféus continentais."

© SputnikA exposição "Fome de gols" em Niterói.
A exposição Fome de gols em Niterói.  - Sputnik Brasil
A exposição "Fome de gols" em Niterói.

O jornalista e pesquisador afirma que os patronos dos clubes costumavam ser líderes do Partido Comunista, como Volodymyr Shcherbytsky, responsável por garantir o orçamento que levou o Dinamo Kiev a um período de sucesso nas décadas de 1970 e 1980. Outro patrono de destaque foi Eduard Shevardnadze, presidente do Dinamo Tbilisi e líder do Partido Comunista da Geórgia. Sob a direção de Shevardnadze, o Dinamo venceu o Campeonato Soviético em 1978, duas Copas (1976 e 1979) e uma Recopa Europeia (1981). O sucesso do time ajudou o líder comunista a conseguir se eleger como primeiro presidente da Geórgia após o fim da URSS.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала