Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Relator do impeachment e condenado no mensalão são alvos de operação da PF

© Valter Campanato/Agência Brasil / Abrir o banco de imagensRelator da comissão especial do impeachment, deputado Jovair Arantes (PTB-GO)
Relator da comissão especial do impeachment, deputado Jovair Arantes (PTB-GO) - Sputnik Brasil
Nos siga no
Condenado no escândalo do mensalão petista, o presidente nacional do PTB e ex-deputado Roberto Jefferson é um dos alvos de uma nova operação da Polícia Federal (PF) contra concessões fraudulentas de registros sindicais junto ao Ministério do Trabalho.

Intitulada Registro Espúrio, a operação foi deflagrada nesta quarta-feira e tem outros parlamentares no radar, como os deputados federais Jovair Arantes (PTB-GO) – relator na Câmara do impeachment de Dilma Rousseff (PT) –, Paulinho da Força (Solidariedade) e Wilson Filho (PTB-PB).

A ação da PF atende a uma solicitação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que atendeu ao pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Nas buscas dos gabinetes dos parlamentares, na casa de Jefferson e também na sede da Força Sindical (vinculada a Paulinho da Força), os policiais buscam provas sobre uma suposta organização criminosa que atuava no Ministério do Trabalho, hoje nas mãos do PTB.

De acordo com a investigação, cinco núcleos de atuação estruturavam o esquema criminoso (administrativo, político, sindical, captador e financeiro), com pagamentos que chegaram a R$ 4 milhões para que um único registro sindical fosse liberado pela pasta.

Ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Solto por Gilmar Mendes, operador do PSDB volta a ser preso em São Paulo

"Desde 2017, parte dos integrantes do grupo criminoso responde a uma ação por improbidade administrativa em andamento na Justiça Federal, em Brasília", diz um comunicado divulgado pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Os investigadores encontraram indícios de que 10 servidores eram usados para viabilizar as fraudes, violando a ordem cronológica de requerimentos e direcionando resultados de solicitações. Parlamentares teriam atuado com a indicação e poder em cargos estratégicos.

"O quarto segmento identificado pelos investigadores era o captador: lobistas e advogados que faziam a intermediação entre os sindicados interessados em registros com os demais integrantes da organização criminosa. O esquema se completava com a atuação do núcleo financeiro que viabilizava os pagamentos (das entidades sindicais para os envolvidos) por meio da simulação de contratos fictícios de trabalho", completa a nota da PGR.

Até o momento nenhum dos parlamentares ou dos partidos investigados se pronunciou.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала