Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Prisão de Kirill Vyshinsky na Ucrânia 'remete às ditaduras', diz jornalista brasileira

© REUTERS / StringerJornalista Kirill Vyshinsky, diretor da sucursal da RIA Novosti na Ucrânia.
Jornalista Kirill Vyshinsky, diretor da sucursal da RIA Novosti na Ucrânia. - Sputnik Brasil
Nos siga no
A prisão do jornalista russo Kirill Vyshinsky na terça-feira (15), na Ucrânia, desencadeou reações de organizações de jornalistas ao redor do mundo. Nesta quinta-feira (17), Maria Carolina Trevisan, colunista de um dos portais brasileiros mais acessados, o UOL, falou à Sputnik Brasil em defesa da liberdade de imprensa.

Para ela, o jornalismo é fundamental para uma sociedade moderna e a liberdade midiática em um país é um termômetro para se conhecer a profundidade da democracia de uma nação.

"O fato de um jornalista ser preso sob acusação de atitudes 'subversivas' remete às ditaduras. A liberdade de imprensa deve ser preservada como um dos direitos mais fundamentais de uma sociedade, que precisa receber informação para poder formar opinião", afirma. 

Ela ressalta que a crítica ao poder público é parte do ofício do profissional no jornalismo, cujo papel é de "fiscalizar o poder e acompanhar a implementação das políticas públicas". Com isso, o jornalista pode denunciar abusos e apontar saídas para a sociedade.

"Quando esse exercício é ameaçado, a democracia também sofre. Por fim, quem perde é a sociedade, que fica refém de fontes controladas de informação e passa a ter uma percepção manipulada das políticas do país", aponta Maria Carolina Trevisan.

A Sputnik Brasil também conversou na quarta-feira (16) com Maria José Braga, presidenta da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) sobre o caso. Ela condenou a prisão e exigiu "a imediata libertação do jornalista Kirill Vyshinsky".

Chefe da RIA Novosti na Ucrânia, Kirill Vyshinsky, em conferência de 2015. - Sputnik Brasil
Fenaj: 'Ucrânia não pode usar intimidação à imprensa como moeda política'
Quem também se pronunciou no mesmo dia foi a Federação Internacional dos Jornalistas (IFJ, na sigla em inglês), que publicou uma nota criticando as forças de segurança ucranianas pelo que apontam ser um ataque à liberdade de imprensa. 

A organização, através de seu secretário-geral, publicou nota em seu site pedindo às autoridades ucranianas que "deixem os jornalistas trabalhar livremente".

Mais cedo nesta quinta-feira (17) o tribunal ucraniano da cidade de Kherson colocou o jornalista sob custódia por 60 dias. O advogado de Kirill Vyshinsky afirmou que irá recorrer da decisão.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала