'Terrível': ONU exige investigação minuciosa sobre massacre de Israel na Faixa de Gaza

© REUTERS / Mohamad TorokmanManifestante com a bandeira da Palestina
Manifestante com a bandeira da Palestina - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) condena o uso da violência por Israel na Faixa de Gaza e quer uma investigação completa sobre as mortes de manifestantes palestinos.

Um comunicado com essa declaração foi divulgado pelo porta-voz do OHCHR, Rupert Colville.

"Condenamos a terrível e letal violência em Gaza ontem, durante a qual 58 palestinos foram mortos e quase 1.360 manifestantes foram feridos a tiros real pelas forças de segurança israelenses", disse Colville.

Segundo Colville, entre os feridos, 155 pessoas estavam em estado grave e 10 eram jornalistas. O porta-voz do ACNUDH enfatizou que Israel não permitiu que os feridos deixassem a Faixa de Gaza para tratamento.

Colville continuou apontando que as regras para o uso da força sob o direito internacional eram constantemente ignoradas.

"Reiteramos que a força letal só pode ser usada como último — e não primeiro — recurso, e somente quando há uma ameaça imediata à vida ou ferimentos graves. Uma tentativa de se aproximar ou atravessar ou danificar a cerca não representam uma ameaça à vida ou a ferimentos graves e não são motivos suficientes para o uso de munição real ", disse o porta-voz do ACNUDH.

O uso de coquetéis molotov ou pedras por manifestantes contra o exército israelense, que utilizava bons materiais de proteção, segundo Collville, também não justifica o uso de armas contra os manifestantes.

"Novamente, pedimos investigações independentes e transparentes em todos os casos de morte e feridos desde 30 de março.

Desde 30 de março, 112 palestinos, incluindo 14 crianças, perderam suas vidas na fronteira e milhares ficaram feridos", disse ele.

The Israeli flag flutters in front of the Dome of the Rock mosque and the city of Jerusalem, on December 1, 2017 - Sputnik Brasil
Turquia pede que Estados muçulmanos revejam laços com Israel em meio à violência em Gaza
O escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) também acredita que a transferência da embaixada dos EUA de Tel-Aviv para Jerusalém não esteja ligada à situação na Faixa de Gaza, apesar de que claramente não melhora a situação.

Colville expressou em seguida que Jerusalém Oriental foi reconhecida como um território ocupado e que Israel tinha o direito de defender suas fronteiras, mas deveria fazê-lo apenas com armas não letais, ressaltou. O porta-voz observou que, até certo ponto, balas de borracha e gás lacrimogêneo deveriam ter sido consideradas como possibilidade na defesa.

Desde 30 de março, os palestinos iniciaram os protestos da Grande Marcha de Retorno, perto da fronteira com Gaza, exigindo que os refugiados pudessem retornar às suas casas no território que é hoje Israel. 

Palestino é socorrido após ser baleado em protesto na Faixa de Gaza. Foto de 14 de maio de 2018. - Sputnik Brasil
Israel mata 55 palestinos no dia da inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém
Esta terça-feira (16) marca o 70º aniversário do êxodo palestino que ocorreu como resultado da declaração de independência de Israel em 1948.

Os protestos perto da Faixa de Gaza da segunda-feira (15) ocorreram na data em que se comemora os 70 anos da formação de Israel. No mesmo dia os EUA realizaram u cerimônia de inauguração que marca a mudança da embaixada norte-americana em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém. 

Segundo as últimas informações, 61 palestinos foram mortos nos confrontos e mais de 2,7 mil ficaram feridos. O líder palestino Mahmoud Abbas, como resultado do derramamento de sangue da segunda-feira (14), declarou um luto de três dias. 

A situação na Faixa de Gaza será discutida pelo Conselho de Segurança da ONU no final desta terça-feira (15).

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала