Ao infinito... e além!: As melhores fotos espaciais de abril

Nos siga noTelegram
Uma ponte atravessando um estreito no Mar Negro, uma ilha no Oceano Pacífico, uma espaçonave ancorando com uma instalação orbital, paisagens marcianas e auroras terrestres, estrelas distantes e galáxias inteiras - tudo isso está na galeria de fotos do espaço deste mês compilada pela Sputnik para sua diversão.

Navegue por esta galeria e veja algumas das imagens mais espetaculares de galáxias, estrelas e planetas capturados por câmeras instaladas em naves espaciais e telescópios terrestres este mês.

© Foto / NASA/JPL-Caltech/SwRI/MSSS/ Gerald Eichstädt /Seán DoranEsta imagem da icônica Grande Mancha Vermelha de Júpiter e zonas turbulentas circundantes foi capturada pela sonda Juno da NASA.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
1/15
Esta imagem da icônica Grande Mancha Vermelha de Júpiter e zonas turbulentas circundantes foi capturada pela sonda Juno da NASA.
© Foto / Roscosmos/Anton ShkaplerovUma foto da ilha de Guam foi tirada a bordo da Estação Espacial Internacional.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
2/15
Uma foto da ilha de Guam foi tirada a bordo da Estação Espacial Internacional.
© Foto / ESA/Hubble & NASAEsta imagem está repleta de galáxias! Um olho aguçado pode detectar elípticas requintadas e espirais espetaculares, vistas em várias orientações: a grande maioria dessas partículas são galáxias, mas para identificar uma estrela de primeiro plano de nossa própria galáxia, você deve procurar um ponto de luz com picos de difração notáveis. O objeto com maior atração fica no centro.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
3/15
Esta imagem está repleta de galáxias! Um olho aguçado pode detectar elípticas requintadas e espirais espetaculares, vistas em várias orientações: a grande maioria dessas partículas são galáxias, mas para identificar uma estrela de primeiro plano de nossa própria galáxia, você deve procurar um ponto de luz com picos de difração notáveis. O objeto com maior atração fica no centro.
© Foto / NASA/JPL-Caltech/Univ. do ArizonaO satélite de reconhecimento da órbita de Marte operado pela NASA mostra ondulações brilhantes alinhando a topografia nesta região. Dunas escuras e estrias de areia (compostas de areia basáltica) moveram-se e preencheram áreas mais baixas, empurradas por ventos mais recentes, do topo para a parte inferior desta imagem.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
4/15
O satélite de reconhecimento da órbita de Marte operado pela NASA mostra ondulações brilhantes alinhando a topografia nesta região. Dunas escuras e estrias de areia (compostas de areia basáltica) moveram-se e preencheram áreas mais baixas, empurradas por ventos mais recentes, do topo para a parte inferior desta imagem.
© Foto / ESO/NASA, ESA and the Hubble Heritage Team (STScI/AURA)/F. Vogt et al.Esta nova imagem criada a partir de imagens de telescópios no solo e no espaço conta a história da caça por um objeto desaparecido escondido em meio a um emaranhado complexo de filamentos gasosos em uma de nossas galáxias vizinhas, a Pequena Nuvem de Magalhães. A imagem vem do Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA e revela partículas de gás formando supernova remanescente 1E 0102.2-7219 em verde. O anel vermelho com um centro escuro é do instrumento MUSE no Very Large Telescope do ESO e as imagens azuis e roxas são do Observatório Chandra X-Ray da NASA. A mancha azul no centro do anel vermelho é uma estrela de nêutrons isolada com um campo magnético fraco, o primeiro identificado fora da Via Láctea.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
5/15
Esta nova imagem criada a partir de imagens de telescópios no solo e no espaço conta a história da caça por um objeto desaparecido escondido em meio a um emaranhado complexo de filamentos gasosos em uma de nossas galáxias vizinhas, a Pequena Nuvem de Magalhães. A imagem vem do Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA e revela partículas de gás formando supernova remanescente 1E 0102.2-7219 em verde. O anel vermelho com um centro escuro é do instrumento MUSE no Very Large Telescope do ESO e as imagens azuis e roxas são do Observatório Chandra X-Ray da NASA. A mancha azul no centro do anel vermelho é uma estrela de nêutrons isolada com um campo magnético fraco, o primeiro identificado fora da Via Láctea.
© Foto / Roscosmos/Anton ShkaplerovUma foto da Ponte da Crimeia, também conhecida como a Ponte do Estreito de Kerch.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
6/15
Uma foto da Ponte da Crimeia, também conhecida como a Ponte do Estreito de Kerch.
© Foto / ESO/H. Avenhaus et al./DARTT-S collaborationEsta imagem espetacular do instrumento SPHERE captada pelo Supertelescópio ESO mostra o disco empoeirado ao redor da jovem estrela IM Lupi com mais detalhes do que nunca.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
7/15
Esta imagem espetacular do instrumento SPHERE captada pelo Supertelescópio ESO mostra o disco empoeirado ao redor da jovem estrela IM Lupi com mais detalhes do que nunca.
© Foto / ESA/Hubble & NASA, RELICSEsta imagem foi capturada pelo Hubble como parte de um programa de observação chamado RELICS. O projeto compôs 41 grandes aglomerados de galáxias com o objetivo de encontrar as galáxias mais distantes para o futuro Telescópio Espacial James Webb.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
8/15
Esta imagem foi capturada pelo Hubble como parte de um programa de observação chamado RELICS. O projeto compôs 41 grandes aglomerados de galáxias com o objetivo de encontrar as galáxias mais distantes para o futuro Telescópio Espacial James Webb.
© Foto / ESA/Roscosmos/CaSSISUma imagem da borda da cratera de Korolev (165,9 L, 73,3 N) a 5,08 m/px com uma velocidade no solo de 2,90 km/s. O ângulo de incidência solar foi de 76,6 graus no horário solar local de 07:14:11.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
9/15
Uma imagem da borda da cratera de Korolev (165,9 L, 73,3 N) a 5,08 m/px com uma velocidade no solo de 2,90 km/s. O ângulo de incidência solar foi de 76,6 graus no horário solar local de 07:14:11.
© Foto / Roscosmos/Oleg ArtemyevA espaçonave de carga SpaceX Dragon atraca com a Estação Espacial Internacional.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
10/15
A espaçonave de carga SpaceX Dragon atraca com a Estação Espacial Internacional.
CC BY 4.0 / NASA, ESA,STScI / Hubble 28 anos: A Nebulosa da LagoaPara celebrar o seu 28º aniversário no espaço, o Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA tirou esta incrível e colorida imagem da Nebulosa da Lagoa. A nebulosa inteira, a cerca de 4.000 anos-luz de distância, tem incríveis 55 anos-luz de largura e 20 anos-luz de altura. Esta imagem mostra apenas uma pequena parte desta turbulenta região de formação de estrelas, com cerca de quatro anos-luz de diâmetro. Esta impressionante nebulosa foi catalogada pela primeira vez em 1654 pelo astrônomo italiano Giovanni Battista Hodierna, que procurava registrar objetos nebulosos no céu noturno para que não fossem confundidos com cometas. Desde as observações de Hodierna, a Nebulosa da Lagoa foi fotografada e analisada por muitos telescópios e astrônomos de todo o mundo. As observações foram feitas pela Wide Field Camera 3 do Hubble entre 12 de fevereiro e 18 de fevereiro de 2018.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
11/15
Para celebrar o seu 28º aniversário no espaço, o Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA tirou esta incrível e colorida imagem da Nebulosa da Lagoa. A nebulosa inteira, a cerca de 4.000 anos-luz de distância, tem incríveis 55 anos-luz de largura e 20 anos-luz de altura. Esta imagem mostra apenas uma pequena parte desta turbulenta região de formação de estrelas, com cerca de quatro anos-luz de diâmetro. Esta impressionante nebulosa foi catalogada pela primeira vez em 1654 pelo astrônomo italiano Giovanni Battista Hodierna, que procurava registrar objetos nebulosos no céu noturno para que não fossem confundidos com cometas. Desde as observações de Hodierna, a Nebulosa da Lagoa foi fotografada e analisada por muitos telescópios e astrônomos de todo o mundo. As observações foram feitas pela Wide Field Camera 3 do Hubble entre 12 de fevereiro e 18 de fevereiro de 2018.
© Foto / NASA/JPL-Caltech/Univ. of ArizonaEsta imagem da NASA sobre marte mostra canais que drenam na depressão do planeta. Algumas imagens da HiRISE mostram formações estranhas. Às vezes, é útil olhar as imagens da Câmera de Contexto para entender as circunstâncias de uma cena - como esse recorte do CTX 033783_1509 - que mostra uma cratera de impacto com um pico central e uma depressão de colapso com calhas concêntricas ao norte daquele pico.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
12/15
Esta imagem da NASA sobre marte mostra canais que drenam na depressão do planeta. Algumas imagens da HiRISE mostram formações estranhas. Às vezes, é útil olhar as imagens da Câmera de Contexto para entender as circunstâncias de uma cena - como esse recorte do CTX 033783_1509 - que mostra uma cratera de impacto com um pico central e uma depressão de colapso com calhas concêntricas ao norte daquele pico.
© Foto / NASAAs auroras são um dos muitos fenômenos da Terra que a tripulação da estação espacial observa em seus poleiros acima do planeta. As luzes dançantes das auroras proporcionam vistas espetaculares, mas também captam a imaginação de cientistas que estudam a energia e as partículas que chegam do nosso sol. As auroras são um efeito de tais partículas energéticas, que podem sair do sol em um fluxo constante chamado vento solar ou de erupções gigantes conhecidas como ejeções de massa coronal ou CMEs. Depois de uma viagem à Terra que pode durar três dias, as partículas solares e campos magnéticos causam a liberação de partículas já aprisionadas perto da Terra, que por sua vez desencadeiam reações na atmosfera superior em que as moléculas de oxigênio e nitrogênio liberam fótons de luz. O resultado: as auroras boreal e austral.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
13/15
As auroras são um dos muitos fenômenos da Terra que a tripulação da estação espacial observa em seus poleiros acima do planeta. As luzes dançantes das auroras proporcionam vistas espetaculares, mas também captam a imaginação de cientistas que estudam a energia e as partículas que chegam do nosso sol. As auroras são um efeito de tais partículas energéticas, que podem sair do sol em um fluxo constante chamado vento solar ou de erupções gigantes conhecidas como ejeções de massa coronal ou CMEs. Depois de uma viagem à Terra que pode durar três dias, as partículas solares e campos magnéticos causam a liberação de partículas já aprisionadas perto da Terra, que por sua vez desencadeiam reações na atmosfera superior em que as moléculas de oxigênio e nitrogênio liberam fótons de luz. O resultado: as auroras boreal e austral.
© REUTERS / NASA/GSFC/Solar Dynamics ObservatoryCuriosamente, um buraco coronal alongado (a área mais escura perto do centro) parece moldar-se em um único ponto de interrogação reconhecível ao longo do período de um dia (21-22 de dezembro de 2017). Buracos coronais são áreas de campos magnéticos abertos que aparecem mais escuros em luz ultravioleta extrema, como é visto aqui. Esses buracos são a fonte de plasma que chamamos de vento solar.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
14/15
Curiosamente, um buraco coronal alongado (a área mais escura perto do centro) parece moldar-se em um único ponto de interrogação reconhecível ao longo do período de um dia (21-22 de dezembro de 2017). Buracos coronais são áreas de campos magnéticos abertos que aparecem mais escuros em luz ultravioleta extrema, como é visto aqui. Esses buracos são a fonte de plasma que chamamos de vento solar.
© Foto / ESA/Hubble & NASAEsta imagem, capturada pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA, mostra a galáxia espiral NGC 5714, a cerca de 130 milhões de anos-luz de distância, na constelação de Boötes (o Pastor). A NGC 5714 é classificada como uma galáxia espiral Sc, mas seus braços espirais - a característica dominante das galáxias espirais - são quase impossíveis de serem vistos, pois a NGC 5714 se apresenta em um ângulo quase perfeitamente de borda.
As melhores fotos do espaço em abril - Sputnik Brasil
15/15
Esta imagem, capturada pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA / ESA, mostra a galáxia espiral NGC 5714, a cerca de 130 milhões de anos-luz de distância, na constelação de Boötes (o Pastor). A NGC 5714 é classificada como uma galáxia espiral Sc, mas seus braços espirais - a característica dominante das galáxias espirais - são quase impossíveis de serem vistos, pois a NGC 5714 se apresenta em um ângulo quase perfeitamente de borda.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала