Rússia nega os planos de lançar um firewall de internet semelhante ao da China

© Sputnik / Aleksandr Kryazhev  / Abrir o banco de imagensTwitter
Twitter - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Enquanto a agência estatal de monitoramento de internet Roskomnadzor continua com suas tentativas de bloquear o serviço de mensagens Telegram, o porta-voz da presidência, Dmitry Peskov, rejeitou relatos de que a Rússia está planejando instalar um firewall online em todo o país.

Falando a repórteres nesta quinta-feira, o porta-voz do Kremlin foi perguntado se os esforços até agora mal sucedidos para impor a lei e bloquear o serviço Telegram em território russo estavam desacreditando a Roskomnadzor. Peskov respondeu que atualmente não falaria em "desacreditar", já que a decisão do tribunal de bloquear o Telegram não poderia ser cumprida em apenas um dia.

Quando os jornalistas perguntaram se as autoridades russas estavam considerando instalar um firewall de internet em todo o país para resolver o problema, semelhante ao Grande Firewall da China, Peskov disse que nunca tinha ouvido falar de tais discussões.

Na segunda-feira, a Roskomnadzor começou a enviar listas de provedores de internet de milhões de endereços IP usados pelo mensageiro Telegram, solicitando que os endereços fossem bloqueados sob a decisão de um tribunal de Moscou.

Facebook - Sputnik Brasil
'Cumpra as regras': Rússia ameaça bloquear o Facebook

Na semana passada, o Tribunal Distrital de Tagansky em Moscou ordenou o acesso ao Telegram, um popular mensageiro da internet, a ser bloqueado em todo o território russo, depois que a empresa se recusou a entregar chaves de criptografia para suas mensagens ao Serviço Federal de Segurança (FSB) da Rússia.

Muitos dos endereços IP bloqueados por solicitação da Roskomnadzor também foram usados por outros sites, aplicativos e programas populares e levaram a problemas de acesso a esses sites. O Telegram, no entanto, introduziu maneiras de contornar o bloco em seus algoritmos e atualmente permanece disponível.

O assessor presidencial russo para questões da internet, German Klimenko, disse em uma entrevista na televisão que as pessoas e empresas afetadas pela proibição mereceram um pedido de desculpas das autoridades.

"É possível que faça sentido pedir desculpas por essa história complicada. No entanto, não se desenvolveu em algum cataclismo de escala global. Há queixas, mas o seu número não excede os níveis habituais", disse Klimenko ao canal de televisão NTV.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала