Ex-líder do Equador questiona Cristina Kirchner: 'Como deixamos o neoliberalismo vencer?'

© Foto / Reprodução / RTCristina Kirchner conversa com Rafael Correa na RT
Cristina Kirchner conversa com Rafael Correa na RT - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Duas figuras conhecidas pela esquerda da América Latina, o ex-presidente equatoriano Rafael Correa e a ex-líder argentina Cristina Kirchner falaram sobre seus períodos nos governos em seus países e analisaram por que a direita conseguiu voltar.

"O neoliberalismo voltou e é um desastre completo", disse Correa, que conduziu uma entrevista para a RT. "O experimento falhou, mas seus defensores acreditam que precisamos das mesmas medidas, mas implementadas mais e mais rapidamente".

"O que fizemos de errado? Fomos complacentes demais?", perguntou Correa, que liderou seu país por uma década até o ano passado.

Para Kirchner, a esquerda não soube entender como as pessoas pensam hoje, quais são as suas necessidades, ao contrário dos seus oponentes.

"Acredito que não conseguimos vencer a batalha pela cultura, ou melhor, a psicologia. Neoliberalismo, notícias falsas, mídias sociais — todos os nossos oponentes desenvolveram uma compreensão de como as pessoas pensam", disse a ex-presidente da Argentina, que cumpriu seu limite de dois mandatos, antes de deixar o cargo em 2015.

Cristina Fernández de Kirchner, ex-presidente da Argentina - Sputnik Brasil
'Causa contra Cristina Kirchner é um disparate jurídico'

"Eles conseguiram convencer grandes segmentos de nossa sociedade que suas conquistas se reduzem apenas a seus esforços individuais. Que todo progresso pessoal é divorciado da política", continuou.

Apesar de estar prejudicada por problemas legais, Kirchner ainda lidera a principal oposição de esquerda, na esperança de desafiar o presidente de centro-direita Mauricio Macri, que estará concorrendo à reeleição no ano que vem.

Enquanto isso, apesar de liderar o Equador para o crescimento do PIB e reduzir a desigualdade econômica, Correa não se apresentou para um novo mandato no ano passado, e desde então rompeu com seu sucessor, Lênin Moreno, a quem ele acusa de "traição" por suas tentativas de compor com a elite empresarial.

Além disso, com a legislação recente restabelecendo limites de mandato, Correa não pode mais candidatar-se à presidência do Equador e, desde fevereiro, ele possui seu próprio programa na RT.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала