'Gana não está à venda': milhares protestam contra acordo militar com EUA

© REUTERS / Francis KokorokoPessoas marcham em Gana contra acordo militar com os EUA
Pessoas marcham em Gana contra acordo militar com os EUA - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Nesta quarta-feira (28) milhares de ganeses saíram às ruas da capital do país, Acra, para protestar contra o acordo de cooperação militar com os EUA que as autoridades do país aprovaram na semana passada.

No âmbito do acordo, prevê-se que Washington vai investir aproximadamente US$ 20 milhões em treinamento e equipamento militar para as Forças Armadas do país africano, informou a edição New York Times.

Presidente da Comissão da União Africana Moussa Faki Mahamat, à esquerda, posa ao lado do ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Wi, à direita. Encontro aconteceu em Pequim, no dia 8 de fevereiro de 2018. - Sputnik Brasil
'Sempre precisam de inimigo': por que presença chinesa na África causa histeria americana?
Em meio às manifestações maciças na capital ganesa as pessoas estão denunciando as ações das autoridades do país, bem como do presidente norte-americano, Donald Trump. Os cartazes mostrados pelos manifestantes dizem: "Gana não está à venda", "Trump, retire suas bases militares" e "Gana vale mais que US$ 20 milhões".

De acordo com a polícia, das manifestações participaram cerca de 3,5 mil pessoas. Alguns participantes se expressaram preocupados quanto à crescente expansão militar dos EUA em Gana e mais além. "Como cidadão que pensa corretamente, estou aqui para lutar por meu país. Sou contra a venda da nossa paz e segurança por US$ 20 milhões", afirmou um deles, Gifty Yankson, comerciante de 49 anos, à Africa News.

"Eles [militares dos EUA] se tornam uma maldição em todos os lugares onde estão, e eu não estou pronto para hipotecar minha segurança", acrescentou o homem. Embora agentes da polícia de choque estivessem presentes no local, nenhuma violência foi relatada.

O acordo, aprovado pelo presidente ganês Nana Akufo-Addo na sexta-feira passada (23), tem sido fortemente criticado pela oposição, que votou contra o acordo e insistiu que se tratou de um golpe contra a soberania do país.

Homem com uma Estrelada (bandeira da Catalunha) durante o referendo pela independência, em Barcelona, em 1 de outubro - Sputnik Brasil
Protestos em Barcelona deixam vários feridos e manifestantes pedem greve geral (VÍDEO)
O acordo contém vários pontos "duvidosos", em particular, sobre a possibilidade de utilização dos aeroportos ganeses pela Força Aérea dos EUA ou sobre possível instalação de um contingente militar norte-americano no país.

A embaixada dos EUA em Gana afirmou que Washington "não solicitou, nem pretende instalar uma base militar ou bases" no país africano. Os exercícios conjuntos agendados para este ano "requerem acesso a bases ganesas pelos participantes dos EUA e de outras nações", adicionou a embaixada.

Protestos semelhantes contra a presença militar dos EUA ocorreram em locais diferentes por todo o mundo. A ilha japonesa de Okinawa é um dos locais mais ativos de protestos antiamericanos. Nos últimos anos, manifestações contra a expansão militar dos EUA ocorreram na Itália e na República Tcheca.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала