Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Israel mira 60 milhões de 'judeus em potencial' para promover o país e é alvo de críticas

© REUTERS / Jonathan ErnstPrimeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu
Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu - Sputnik Brasil
Nos siga no
A recomendação de um comitê do governo israelense para atingir "potenciais judeus" em todo o mundo para promover Israel e até mesmo se converter foi criticada por grupos religiosos.

Segundo o comitê, criado pelo Ministério de Assuntos da Diáspora de Israel em 2016, existem 60 milhões de pessoas em todo o mundo que têm uma "afinidade" com o judaísmo ou com Israel. O relatório inclui um "plano estratégico" para atingir essas pessoas, com a esperança de que algumas possam até ser convertidas.

Conflito entre palestinos e israelenses em Jerusalém, nesta sexta-feira (9) - Sputnik Brasil
Israel teme 'erupção' militar na Faixa de Gaza

Recomendou o fornecimento de materiais didáticos sobre judaísmo e hebraico para essas comunidades. Também circulou a ideia de aproveitar a "diplomacia pública desses grupos para promover o apoio a Israel e ajudar na luta contra o antissemitismo".

No domingo, o comitê pediu ao governo israelense que crie um plano para identificar os que têm vínculos com o judaísmo, mas que não são elegíveis para imigração pela Lei de Retorno de Israel, o que permite aos judeus imigrarem para o Estado de Israel. Isso incluiria aqueles com ancestrais judeus, como os marranos na Espanha e em Portugal, que se converteram ao cristianismo, junto com aqueles que escondiam seu judaísmo de regimes opressivos.

O relatório dividiu seus alvos em cinco "círculos de afinidade". O primeiro grupo é formado por judeus "centrais", totalizando cerca de 14 milhões. O segundo é 9 milhões de pessoas que se qualificam sob a Lei do Retorno, o terceiro grupo é "parentes distantes" dos judeus.

A quarta, de 35 milhões de pessoas, "declarou sua afinidade com o povo judeu" e a quinta, de 60 milhões, tem "potencial futuro" como "descendentes de judeus, descendentes de convertidos forçados e comunidades adicionais com afinidade com os judeus, mas atualmente não está declarando ou não está ciente disso".

A ideia foi criticada por rabinos sionistas religiosos, que disseram que os missionários não fazem parte do judaísmo. "De acordo com a lei judaica, o judaísmo não tem interesse em influenciar alguém a se converter. Não existe tal coisa", disse o rabino Dov Lior ao jornal israelense Haaretz.

Um grupo de advogados palestinos segura bandeiras nacionais durante um protesto contra a decisão de Donald Trump de reconhecer Jerusalém como capital do Estado judeu, em 13 de dezembro de 2017 - Sputnik Brasil
Conflito Israel-Palestina virar guerra religiosa seria a maior catástrofe na região

O jornal Times of Israel relata que outros judeus apontaram para o fato de que o governo está mais interessado em expulsar pessoas que não são judias, como os migrantes africanos que estão sendo deportados de Israel, do que em criar novos cidadãos.

Embora o ministério tenha dito que as recomendações ainda não foram adotadas, eles também responderam ao recebimento, esclarecendo que o objetivo é fortalecer os laços em vez de impulsionar as conversões em massa, informa o Haaretz.

O Ministro dos Assuntos da Diáspora, Naftali Bennett, encomendou o relatório e é membro do partido judeu de direita.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала