Surge nova teoria sobre maior apocalipse vulcânico

CC BY 2.0 / Diariocritico de Venezuela / Erupção de um vulcão (imagem referencial)
Erupção de um vulcão (imagem referencial) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Geólogos e paleontólogos encontraram novos indícios de que a África e as tribos que viviam no sul do continente não foram afetadas pela erupção vulcânica que aconteceu em Toba há 73 mil anos, segundo o artigo publicado no jornal Nature.

"Muitos de nossos colegas já tentaram considerar a hipótese que sustenta que a erupção de Toba quase levou a humanidade à beira da extinção. Todas as tentativas falharam, porque eles não conseguiram descobrir vestígios de erupção nem indícios que comprovassem que aquele lugar era habitado por humanos durante o cataclismo", informou Curtis Marin, da Universidade Estadual do Arizona (EUA).

Hoje, muitos paleontologistas e evolucionistas acreditam que as erupções vulcânicas de grande escala desempenharam um papel fundamental na maioria dos casos de extinção. Como exemplo, a extinção do Permiano, também conhecida como A Grande Agonia, que resultou na morte de aproximadamente 96% de todas as espécies marinhas da Sibéria devido à liberação de grandes quantidades de magma.

Vulcão em erupção (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Mundo não está preparado para uma erupção catastrófica, garantem especialistas
Como acreditam hoje os paleontologistas, a erupção mais modesta do vulcão Toba, em Sumatra, criou um efeito de grande proporção na evolução humana, causando um inverno vulcânico, destruição de grande parte da vegetação e praticamente a extinção da humanidade da face da Terra há 73 mil anos.

Recentemente, os arqueólogos encontraram evidências de que os humanos começaram a aparecer no planeta entre 150 e 170 mil anos atrás, a dezenas ou a centenas de milhares de anos antes do que havia sido cogitado anteriormente. Esta descoberta fortaleceu a teoria do "apocalipse vulcânico", porque todos os humanos desapareceram há cerca de 70 e 80 mil anos, quando ocorreu a erupção.

Curtis Marin e seus colegas encontraram vestígios de que o cataclismo quase não afetou os humanos que habitavam a costa da África do Sul e do Sudeste. Eles estudaram os sedimentos formados após a erupção em duas cidades turísticas — Vleesbaai e Pinnacle Point, na costa sul da África do Sul — habitadas no passado pelo Homo sapiens.

Rapaz vestido de zumbi (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Só 1 país sobreviveria a apocalipse zumbi, afirmam investigadores brasileiros
Ambas as cidades estão localizadas a uma distância significativamente longa do supervulcão Toba, a cerca de 9 mil km. Se as consequências de sua erupção fossem de caráter global, as partículas de cinzas, fuligem e outros vestígios teriam sido preservados no solo. Os cientistas tiveram sorte e conseguiram encontrar as cinzas do vulcão, que penetrou no solo há quase 74,7 e 73,9 mil anos. Após uma análise química, os especialistas confirmaram que as partículas pertencem ao vulcão Toba.

Depois da descoberta, os cientistas estudaram a evolução da vida dos humanos pós-erupção. Segundo eles, a erupção não afetou o modo de produzir ferramentas nem a quantidade, o que confirma que o cataclismo em Sumatra não afetou a vida dos humanos que habitavam a África naquela época.

Ainda não se sabe se a África do Sul é uma exceção às regras ou uma tendência geral. Os cientistas acreditam que a descoberta das cinzas da erupção na África ou em outros continentes pode responder a esta pergunta.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала