Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Especialista: ‘Adesão do Brasil à OCDE pode ser boa, mas não resolve todos os problemas’

© AP Photo / Francois MoriEvento da OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico
Evento da OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico - Sputnik Brasil
Nos siga no
O Brasil está mais próximo de ser aceito como membro efetivo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Segundo o secretário-geral da organização, Angel Gurría, o país é o que tem, hoje, as melhores condições de admissão à frente de outros pretendentes como Argentina, Bulgária, Romênia, Peru e Croácia.

O país já participa de 25 comitês na associação na qualidade de observador. No total, a entidade fez 236 recomendações ao Brasil,  que já aderiu a 35 e solicitou adesão a outras 70. O processo é demorado e leva, em média, dois anos até ser concluído. O pedido oficial de adesão foi feito em maio do ano passado e até agora, antes da declaração de Gurría, o Brasil vinha recebendo apenas sinalizações simbólicas.

Falando à Sputnik Brasil, o professor de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB), Alcides Costa Vaz, admite que uma adesão à OCDE seria importante para a projeção internacional do Brasil, embora isso não signifique a solução de todos os problemas enfrentados pelo país no campo sócio-econômico e de desenvolvimento sustentável. Na opinião de Vaz, há um empenho do atual governo nessa direção e dessa vez parece que a adesão como membro pleno vai se consolidar. 

O professor da UnB observa que a adesão do Brasil à OCDE mostraria que o país se alinha ao esforço de convergência e coordenação econômica e que os resultados disso apontam no sentido de maior estabilidade. "Sozinha essa associação não é um elemento poderoso. As agências de risco levam em conta esses fatores e outros", diz. Com a filiação à OCDE, o Brasil seria um dos poucos países a pertencer a seletos clubes como o G20 e o BRICS.

Nos bastidores, se comenta que um dos entraves à entrada do Brasil tem partido dos Estados Unidos, não contra o país propriamente, mas pelo fato de que a atual administração americana não vê com bons olhos uma expansão da OCDE, que conta atualmente com 35 países membros. 

Em Curitiba, contingenciamento de um terço das verbas da Polícia Federal afetou operações da Lava Jato - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
'Cobrança da OCDE ao governo brasileiro mostra preocupação com grau de corrupção no país'

"O papel fundamental da OCDE é o de fomento da coordenação de políticas econômicas entre os países e que o escopo de sua atuação tem se ampliado. Em instâncias multilaterais, como a Organização Mundial do Comércio (OMC) hoje com mais de 150 membros, qualquer esforço de tomada de decisão é complicado pelo número elevado de países em condições e interesses muito desiguais. No caso da OCDE, porém, é um caso de natureza distinta: um multilateralismo no sentido de coordenação", explica o professor.

Para Vaz, outro complicador é o fato de que o número de recomendações que devem ser atendidas pelo país proponente à adesão é muito grande e consiste num processo de nivelamento para assegurar maior convergência nos esforços dos países. Algumas dessas recomendações, no caso do Brasil, podem trazer questionamentos legais. Em uma das recomendações, por exemplo, a OCDE propõe o reajuste dos benefícios previdenciários abaixo do salário mínimo, hoje de R$ 954, para que esses recursos possam ser melhor aplicados em programas como o Bolsa Família.

A recomendação, porém, vai contra a Constituição brasileira, que determina que nenhum salário ou benefício no país possa ser inferior ao de um salário mínimo. Segundo a OCDE o valor do mínimo no Brasil é alto e 56% dos brasileiros recebem menos que esse valor. A organização alega ainda que o mínimo aumentou ao longo dos anos e que seu valor real é 80% maior do que há 15 anos, enquanto o Produto Interno Bruto (PIB) per capita cresceu apenas 23% nesse período.

"Esse é um bom exemplo de que muitas vezes o sentido das recomendações não atenta muito para as idiossincrasias dos países. Acontecia também quando o Fundo Monetário Internacional fazia recomendações no sentido do equilíbrio do balanço de pagamentos e maior equilíbrio macroeconômico", exemplifica Vaz.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала