Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Produtora de caças americanos F-35 se gaba de 'modo de grande potência'... que não existe

© AP Photo / LM OtteroCaça Lockheed Martin F-35 da Força Aérea dos EUA
Caça Lockheed Martin F-35 da Força Aérea dos EUA - Sputnik Brasil
Nos siga no
A empresa Lockheed Martin postou no seu site um infográfico interessante, convertendo a configuração furtiva (stealth) do caça F-35 em configuração "de grande potência", na qual ele alegadamente será capaz de carregar 14 mísseis ar-ar, ou seja, 10 vezes mais que em regime normal.

Caça F-35 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Piloto 'unicórnio' estadunidense descobre por que tripulação de F-35 se sente 'asfixiada'
Entretanto, o problema é que esta configuração simplesmente não existe.

O "modo de grande potência" retratado no site da empresa mostra que o avião carrega 14 mísseis AIM-120 e um par de mísseis AIM-9X Sidewinder para as missões de superioridade aérea. O problema é que tal configuração não é real, comunica o portal The Drive nesta quinta-feira (28).

O F-35 carrega 4 mísseis ar-ar na sua angra interna. Algum dia no futuro, os militares planejam expandir este número até 6, mas mesmo estes planos humildes ainda são meramente planos.

© Lockheed MartinConfiguração "de grande potência" do caça F-35
Configuração de grande potência do caça F-35 - Sputnik Brasil
Configuração "de grande potência" do caça F-35

"Não só esta configuração nunca foi testada, como, ao que saibamos, nem se planeja desenvolvê-la em um futuro próximo", diz-se no portal.

O avião F-35 tem sido criticado como dispendioso, tendo sido pensado como um caça potente, mais sofisticado do que qualquer outro que o adversário possa produzir nas próximas 2 décadas. Mas nem tudo acabou por corresponder à realidade.

"Como militar aposentado da Força Aérea dos EUA e atual professor das Finanças em uma universidade que esteve envolvido [na indústria] e estudou aviação e aquisições, considero o F-35 como um dos maiores sorvedouros de dinheiro na história recente de compras militares", afirmou Michael Hughes, citado pela edição The Conversation em junho passado.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала