Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Como URSS ganhou corrida supersônica

© AP Photo / Sergei KarpukhinO avião passageiro supersônico Tu-144
O avião passageiro supersônico Tu-144 - Sputnik Brasil
Nos siga no
Há 50 anos, foi realizada uma operação aérea única que permitiu à URSS ganhar a corrida contra os europeus na criação do primeiro avião supersônico de passageiros. Essa operação quase custou a vida aos seus participantes.

Bombardeiro estratégico TU-95 - Sputnik Brasil
Oficial dos EUA fala de 'jogos' aéreos entre pilotos soviéticos e norte-americanos (FOTO)
Esta história não está refletida em documentos históricos, está escrita em detalhe apenas nas memórias de seu participante direto, o famoso piloto soviético de helicópteros Vasily Koloshenko, publicadas pela Gazeta.ru.

Desde o início da década de 1960, a URSS entrou em concorrência com produtores de aviões europeus para a criação da primeira aeronave de passageiros supersônica. Inicialmente, foi tomada a decisão: as fuselagens do primeiro Tu-144 seriam construídas perto de Moscou, na cidade de Zhukovsky, enquanto as asas seriam produzidas na fábrica de aviões de Voronezh, a 466 km de Moscou.

A primeira fuselagem foi montada no início de 1967, mas a produção das asas estava atrasada.

A entrega de asas, que deveria ser realizada por rio em barcaças a partir de Voronezh no fim de 1967, se tornou impossível por causa das temperaturas negativas antecipadas que cobriram de gelo os rios. Como foi descartado o transporte das enormes asas por via ferroviária ou rodoviária, surgiu a ideia de usar o helicóptero Mi-10, capaz de transportar carga em suspensão externa.

Esses helicópteros já eram usados com sucesso na URSS para transportar veículos, casas e outras cargas grandes.

© Sputnik / A. Polikashin / Abrir o banco de imagensMi-10 transportando um ônibus
Mi-10 transportando um ônibus - Sputnik Brasil
Mi-10 transportando um ônibus

Voo teoricamente impossível

Entretanto, as asas triangulares do Tu-144 eram demasiado grandes. Os cálculos dos cientistas do Instituto Hidro e Aerodinâmico Central mostraram que o transporte das asas através do ar era teoricamente impossível.

Apesar disso, o ministro da Indústria Aeronáutica, Pyotr Dementiev, ordenou ao lendário engenheiro aeroespacial Mikhail Mil para enviar a Voronezh uma tripulação com um Mi-10.

"Se esperarmos mais, os franceses e ingleses decolarão em seu avião supersônico antes nós", disse o ministro a Koloshenko, enviando-o à missão "impossível".

O problema era que as largas asas do Tu-144 fixadas entre as "patas" do helicóptero eram sopradas pelo fluxo de ar do rotor principal do Mi-10, o que complicava a decolagem do helicóptero.

Força Aérea russa treina para a parada militar do Dia da Vitória em Moscou - Sputnik Brasil
Componente aéreo da tríade nuclear da Rússia mostra seu potencial (VÍDEO)
Para evitar que ele se precipitasse em uma imersão descontrolada em um voo horizontal, carregaram mais de uma tonelada de areia na sua cauda. E para aliviar o peso do Mi-10 foi eliminado tudo o era desnecessário no voo, incluindo os geradores do sistema anticongelamento.

Além disso, Koloshenko demonstrou experimentalmente em seu Mi-10 que a operação para o transporte das asas só era possível em boas condições climáticas.

A perigosa rota Voronezh-Moscou

Como resultado de tudo isso, o helicóptero com as asas voou com sucesso de Voronezh à capital soviética, mas a meio do caminho, quando se aproximava da cidade de Tula e já era impossível retornar devido à falta de combustível, o clima se deteriorou de repente. Formou-se uma névoa e aconteceu o pior que poderia imaginar-se para um helicóptero sobrecarregado: ficou coberto de gelo.

"Começou o pior, o mais perigoso que poderia passar neste voo. O helicóptero com as asas se tornou mais pesado, ficou coberto de gelo e neve. Toda a tripulação ficou em silêncio. Todos entenderam que estávamos em uma situação muito perigosa", lembrou Koloshenko.

A situação agravou-se, porque o aeroporto de Tula não respondia à comunicação, bem como os vários aviões de reconhecimento que deviam acompanhar o helicóptero.

Lançamento de um míssil de cruzeiro Kh-555 desde o bombardeiro estratégico T-160 da Força Aeroespacial da Rússia contra as posicões dos terroristas na Síria (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Conheça os mais poderosos mísseis balísticos e de cruzeiro russos
De repente, o comandante do voo descobriu à frente de uma faixa coberta de neve e decidiu aterrissar sobre ela, reduzindo a velocidade vertical ao máximo.

Mais tarde, chegou a informação que, devido a uma forte deterioração do clima, o aeroporto de Tula estava fechado e todas as instalações do rádio estavam apagadas. Os pilotos dos aviões de reconhecimento estavam esperando o helicóptero em um hotel, seguros de que Koloshenko não continuaria o voo durante a tempestade.

Três dias mais tarde, depois de uma pequena reparação do Mi-10, a equipe continuou seu caminho e levou as asas do Tu-144 para o aeródromo de Zhukovsky.

© Sputnik / B. Vdovenko / Abrir o banco de imagensO piloto Vasily Koloshenko (primeiro à esquerda)
O piloto Vasily Koloshenko (primeiro à esquerda) - Sputnik Brasil
O piloto Vasily Koloshenko (primeiro à esquerda)

Graças a esta operação, a montagem do primeiro Tu-144 supersônico foi completada a tempo e ele voou pela primeira vez em 31 de dezembro de 1968, dois meses antes do Concorde europeu. O Tu-144 é também o primeiro avião de passageiros a romper a barreira do som.

Koloshenko foi condecorado posteriormente com as ordens de Lenin, da Estrela Vermelha e várias medalhas. Bateu 15 recordes mundiais em helicópteros por capacidade de carga, velocidade e altitude.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала