Aquilo que não é dito: analista explica verdadeiras razões da crise na Líbia

© AFP 2022 / MAHMUD TURKIA Cidadãos líbios agitam bandeiras nacionais da Líbia durante a demonstração em comemoração ao 64 aniversário de independência do país, Tripoli, Líbia, 25 de dezembro de 2015
Cidadãos líbios agitam bandeiras nacionais da Líbia durante a demonstração em comemoração ao 64 aniversário de independência do país, Tripoli, Líbia, 25 de dezembro de 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
As principais mídias se calam sobre a situação atual na Líbia e preferem manter o silêncio sobre as verdadeiras razões do conflito, diz o historiador Paolo Sensini, que julga os políticos ocidentais responsáveis pela "catástrofe humanitária e social" no país.

Resgate de migrantes na costa da Líbia - Sputnik Brasil
Escravidão é 'realidade chocante' na Líbia, diz ONU
Paolo Sensini, historiador italiano e analista político, autor do livro "Líbia, a colônia da Itália e colônia em um sentido global" falou com a Sputnik Itália sobre a crise na Líbia, o país que se tornou "depois do Afeganistão e Iraque, mais uma vítima da guerra neocolonial do nosso século". 

"Como acontece com frequência, a mídia ocidental continua se mantendo em silêncio sobre a situação na Líbia e sobre os objetivos das iniciativas. Em outro, a comunidade internacional deve responsabilizar os políticos ocidentais pelo desastre social e humanitário na Líbia", afirmou Paolo Sensini à Sputnik Itália.

Ele acrescentou também que "em meio à crise que foi organizada principalmente pelos franceses, britânicos e norte-americanos, começou uma catástrofe econômica, social e política que continua até hoje". 

No seu livro "Líbia 2011", Sensini explica vários aspectos desconhecidos muito importantes para compreender a crise e as razões dela, bem como os papéis que desempenharam a França, a Grã-Bretanha, os EUA e os países do Golfo Pérsico.

Militante das forças líbias leais a Khalifa Haftar (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Quem pode tirar proveito da instabilidade na Líbia?
Como por exemplo, a ideia de Muammar Kadhafi de introduzir uma nova moeda na África para diminuir a independência de matérias-primas africanas do dólar, provocou uma forte reação: "Gaddafi foi chamado de 'inimigo do sistema financeiro africano'".

"Apesar do fato que Kadhafi financiou a campanha eleitoral de Sarkozy em 2007, a França ativamente se opôs a Kadhafi, desejando tomar posse do petróleo líbio, substituindo a Eni italiana [maior empresa petrolífera italiana] pela Total. Era importante se livrar do Sr. Gaddafi, a quem estes países não podiam controlar", afirmou o historiador.

Paolo Sensini opina que o retorno à política de Saif al-Islam Muammar Kadhafi, o segundo filho de Muammar que se posicionava a favor da aproximação com o Ocidente antes do golpe militar, poderia ser uma solução da crise Líbia. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала