Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

'Venci Lula duas vezes e prefiro combatê-lo na urna do que vê-lo na cadeia', diz FHC

© Foto / Ricardo Stuckert / Instituto LulaEncontro entre Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo
Encontro entre Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo - Sputnik Brasil
Nos siga no
O ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, afirmou neste sábado que conhece os caminhos para vencer o petista e também ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pregando que o PSDB deve combatê-lo nas urnas ao invés de torcer para que ele seja preso antes das eleições de 2018.

"Eu já ganhei do Lula duas vezes e temos energia para combatê-lo cara a cara. Eu prefiro combatê-lo na urna do que vê-lo na cadeia", disse FHC na convenção do partido, realizada neste sábado em Brasília, em declarações reproduzidas pelo jornal O Globo.

Defensor da candidatura do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, tanto para a presidência do PSDB nacional quanto ao pleito ao Palácio do Planalto no ano que vem, o tucano abordou em um forte discurso a necessidade da sigla em se reconectar com a sociedade brasileira, que está "enojada e irritada".

"O povo está enojado e irritado como todos nós. Sente como uma grande traição nacional. Temos que respeitar a percepção popular. As pessoas querem coisas simples: decência, transporte, segurança, trabalho", comentou FHC, sendo ovacionado pela militância presente à convenção.

Lula, ex-presidente do Brasil. - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
2018: Lula consolida vantagem e Bolsonaro se firma como segundo colocado, diz pesquisa

O ex-presidente do país entre 1994 e 2002 aproveitou a oportunidade para reconhecer que o PSDB cometeu erros e que deve corrigi-los "com humildade". Sem mencionar nomes – alvo da Operação Lava Jato, o senador Aécio Neves (MG) foi vaiado e ficou apenas 40 minutos no evento –, FHC disse que o Brasil "atingiu um nível insuportável".

Na opinião do tucano, é hora de "dar um basta em tudo isso" e é necessário ouvir o povo, para que possa ser possível que o partido mostre quem ele realmente é. Ele aproveitou para criticar a classe política e reforçar a necessidade de aprovação da Reforma da Previdência, outro tema que divide a legenda na Câmara dos Deputados.

"As estruturas partidárias estão envelhecidas. Temos que nos reconectar e enfrentar os temas como eles são […]. A situação está insustentável. Temos que votar a reforma, com uma outra emenda, mas não podemos fechar os olhos e ceder à pressão das corporações. O mercado é importante, mas nosso guia tem que ser a geração de trabalho, o desenvolvimento. Não podemos fazer o país avançar se não tivermos uma estratégia", ressaltou.

Embora tenha indicado que respeita a intenção do ex-senador tucano Arthur Virgílio de disputar prévias internas no PSDB, FHC elogiou e indicou a sua preferência por Alckmin para ser o candidato tucano à Presidência da República em 2018.

"Precisamos de candidatos que sejam simples, diretos. Geraldo é simples, conheço há décadas, nunca mudou. É um ser humano. Precisamos de gente assim", afirmou.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала