Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

'Dar nome aos bois': Pezão vai ao STF para que ministro da Justiça explique polêmica

© Foto / Antônio Cruz/ Agência BrasilTorquato Jardim nos EUA
Torquato Jardim nos EUA - Sputnik Brasil
Nos siga no
A polêmica envolvendo o ministro da Justiça, Torquato Jardim, e as autoridades do Rio de Janeiro foi parar no Supremo Tribunal Federal (STF). É lá que as fortes palavras do ministro serão avaliadas, a pedido do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).

Nesta quarta-feira o governador assinou o documento elaborado pela Procuradoria-Geral do Estado (PGE), no qual o Palácio Guanabara questiona judicialmente Torquato Jardim por suas palavras ditas um dia antes, e cuja verborragia foi apontada contra policiais e políticos do Rio.

Em uma entrevista ao UOL, e em outra ao jornal O Globo, o ministro da Justiça declarou que a PM do Rio não possui comando e que comandantes de batalhões teriam envolvimento com o crime organizado. E tudo isso seria de conhecimento do governo fluminense.

"Nós já tivemos conversas, ora eu sozinho, ora com o Raul Jungmann [ministro da Defesa] e o Sérgio Etchengoyen [ministro do Gabinete de Segurança Institucional], conversas duríssimas com o secretário de Segurança do estado e com o governador. Não tem comando", disse ele ao UOL.

Governador Luiz Fernando Pezão com agentes da Polícia Militar do Rio de Janeiro - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Escândalo no Rio: 'comandantes da PM são sócios do crime organizado', diz ministro

Na representação encaminhada ao STF, a PCE afirma que o ministro tem "dever funcional" de "comprovar todos os fatos que disse ter conhecimento por meio de documentos oficiais", o que o impediria de ter de responder pelos crimes de "calúnia, injúria, difamação e, em tese, por prevaricação".

Além disso, Torquato é instado no documento encaminhado ao Supremo a revelar o nome de agentes públicos que teriam cometido crimes, como sugeriu em suas entrevistas ao UOL e ao Globo, para que tais pessoas possam ser investigadas e punidas, se necessário.

A interpelação por parte do governo do Rio foi definida após uma reunião entre a cúpula de Pezão e da PM fluminense. Também citado por Torquato, o comandante da PM do Rio, Wolney Dias, foi defendido pelo secretário de Segurança Roberto Sá, que elogiou a sua experiência de mais de 30 anos de serviços prestados à corporação.

Diante da repercussão de suas palavras, o ministro da Justiça informou que não falará mais sobre o assunto. Em Brasília, a repercussão também não foi boa. Em nota divulgada pela sua assessoria, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), se disse “perplexo” com o que disse Torquato.

Cotado para sair candidato ao governo do Rio em 2018, o ex-prefeito César Maia (DEM) – pai de Rodrigo Maia – sugeriu que as palavras do ministro da Justiça não passam de campanha aberta a favor de um presidenciável, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала