Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

NASA revela algo muito estranho que se passa com corpo humano no espaço

© Foto / NASAAstronauta Scott Kelly
Astronauta Scott Kelly - Sputnik Brasil
Nos siga no
Os cientistas analisam os resultados de um estudo que, segundo eles, será extremamente importante daqui a alguns anos ou décadas, quando o ser humano realizar missões de longo prazo para Marte ou para a Lua.

Há dois anos, a NASA iniciou um experimento sem precedentes para determinar o que acontece com o corpo humano quando este se expõe a um ambiente de gravidade zero durante um longo período de tempo. Para fazer isso, a agência espacial recrutou dois astronautas gêmeos, Scott e Mark Kelly. Scott foi enviado para a Estação Espacial Internacional por um ano, enquanto Mark permaneceu na Terra.

Veículo robótico da NASA que estuda o Planeta Vermelho - Sputnik Brasil
Visita real a Marte? NASA e Google oferecem viagem de graça e em 360°
Quando Scott retornou, ambos os irmãos passaram por uma série de testes projetados para comparar seus corpos de todas as formas possíveis e ver o que é que mudou.

De acordo com os resultados, o ADN de Scott mostrou sinais de metilação excessiva (um processo em resultado do qual as células ligam certos produtos químicos, conhecidos como grupo metilo, às moléculas do ADN), informa o site da NASA. Os cientistas explicam que este é um processo normal que o corpo usa para ativar e desativar genes específicos e que o faz todo o tempo.

No entanto, Scott Kelly experimentou isso em um nível muito maior do que seu irmão Mark enquanto esteve no espaço. Os pesquisadores assumem que a metilação tornou-se tão ativa porque seu corpo estava se ajustando a um ambiente radicalmente diferente, o que poderia ajudá-lo a se acostumar com a falta de gravidade de forma mais rápida.

"Entre as coisas mais emocionantes que vimos, ao observar o comportamento genético no espaço, é que realmente há uma explosão, que nem um fogo de artifício, assim que o corpo humano entra no espaço", diz o pesquisador Chris Mason. "Com este estudo, vimos milhares e milhares de genes mudarem a maneira de se acenderem e apagarem", adianta.

Os cientistas dizem que os resultados deste estudo serão extremamente importantes em alguns anos ou décadas, quando as pessoas realizarem missões de longo prazo para Marte ou para a Lua.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала