Polícia de Barcelona sobre referendo na Catalunha: muitos de meus colegas estão nervosos

© REUTERS / Marco TrujilloMossos d'Esquadra, a Polícia da Catalunha
Mossos d'Esquadra, a Polícia da Catalunha - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Polícia de Barcelona partilha com a Sputnik suas preocupações em meio ao referendo na Catalunha marcado para 1° de outubro: muitos policiais estão em alerta.

Dois policiais contaram em entrevista à Sputnik Mundo sobre os preparativos do serviço de segurança de Barcelona para o referendo da Catalunha, que será realizado no próximo domingo (1).

"Muitos policiais estão nervosos e em alerta", estas são as palavras de um policial espanhol, que preferiu manter anonimato.

Apoiadores da independência da Catalunha em Barcelona - Sputnik Brasil
Especialista: Catalunha não se separará da Espanha após referendo
O policial destacou que a polícia deve garantir a segurança na cidade mesmo sem ordens concretas, segundo ele nem mesmo a polícia "sabe o que deve fazer em 1° de outubro".

Ao mesmo tempo, "em 1° de outubro, haverá tumulto, mas esperamos que não aconteça nada que venhamos a nos lamentar em seguida".

Entretanto, o entrevistado da Sputnik confessou que nesse dia a polícia vai enfrentar algo que não está acostumada a enfrentar.

"Não vamos enfrentar criminosos, mas sim pessoas comuns que querem votar. Isso afeta todos nós. Enfrentarei meu vizinho, a mãe do amigo da minha filha, o padeiro, ou seja, pessoas que querem votar, mas não devo permitir que votem", revelou o policial preocupado.

Quanto às discordâncias sociais e políticas, ele indicou que essa situação "é muito importante para nós. E depende de todos nós tanto apoiadores da independência como aqueles que não a apoiam".

A Sputnik também recebeu comentário de um funcionário da polícia governamental da Catalunha, Mosso d'Esquadra, sobre as ordens que provavelmente serão dadas no dia do referendo.

Manifestação pró-independência em Barcelona, Espanha (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Espanha não acredita na interferência russa na Catalunha
Ele afirmou que receberá ordens e deverá exercê-las, mas com algumas exceções.

Mosso acredita: "há limites para tudo e todos, nós somos primeiramente pessoas". Em sua opinião, "o 1° de outubro é o resultado de um trabalho do governo que não sabe dialogar".

O policial da Guarda Urbana sabe que no dia em questão, eles terão que cumprir suas obrigações, mas, ao mesmo tempo, "seguir seus corações". Por esta razão há possibilidade de que nem todas as ordens venham a ser cumpridas, como, por exemplo, o impedimento dos cidadãos de votar pelo policias de Barcelona.

As entrevistas com os dois oficiais foram concluídas com a mesma pergunta e resposta: sim, os dois vão votar no referendo.

A hora da verdade chegará no dia 1 de outubro.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала