Planeta quentíssimo com 2.500°C é o mais escuro da nossa galáxia?

© AFP 2022 / NASAImagem da galáxia na Via Láctea feita pelo telescópio da NASA
Imagem da galáxia na Via Láctea feita pelo telescópio da NASA - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Inacreditável que um planeta soprado pela sua estrela, e assim aquecido até 2.500 graus, reflete só 0,6 % da luz recebida e seja o membro mais escuro da nossa galáxia!

O exoplaneta WASP-18b é parecido com o WASP-19b do grupo dos assim chamados júpiteres quentes - Sputnik Brasil
Descoberto planeta infernal com céu de 'titânio'
Cientistas do Canadá e Grã-Bretanha descobriram qual é o planeta mais escuro da Via Láctea. Esse corpo celeste se localiza na constelação de Auriga e reflete apenas 0,6 % da luz que recebe de sua estrela.

Nos últimos dez anos, os cientistas encontraram milhares de planetas situados fora do nosso Sistema Solar. Uma parte considerável deles são "júpiteres quentes" — planetas extrassolares maiores e mais fáceis de serem observados. No entanto, as temperaturas de suas atmosferas são realmente infernais. Para ter uma noção, se trata de 725 a 2.225 graus Celsius.

Muitos desses planetas são quase invisíveis para os olhos humanos porque são extremamente escuros, sendo que sua atmosfera é composta por grande quantidade de íons de metais alcalinos e outros elementos que absorbem a luz visível.

Terra e Lua, vista do espaço - Sputnik Brasil
'Em algum lugar deveria haver vida': outros planetas estariam observando a Terra?
O planeta mais extraordinário deste grupo é o WASP-12b, que se encontra na constelação de Auriga, à distância de 1.400 anos-luz da Terra.

Além disso, sua estrela sopra sobre o planeta e elimina sua atmosfera, o que, por sua vez, o aquece até 2.500 graus Celsius.

Quando os cientistas analisaram as fotografias do telescópio espacial Hubble, descobriram dados insólitos, a intensidade luminosa do WASP-12b quase não mudou durante um eclipse. Assim, eles concluíram que este "júpiter quente" é quase completamente preto: reflete só 0,6% da luz que recebe.

"Esse nível de albedo [uma medida relativa da quantidade de luz refletida, o que ocorre sobre superfícies de maneira direta ou difusa] é o mínimo para qualquer corpo celeste e indica que esse planeta é mais negro do que o carvão", diz o astrônomo Taylor Bell da Universidade de McGill em Montreal.

Segundo sublinha a equipe, ainda há muito caminho a percorrer quanto à observação e estudo de planetas tão longínquos e únicos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала