- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Direitos humanos: onda conservadora no Brasil provoca aumento da violência no campo

© AFP 2022 / Evaristo SáSó nos cinco primeiros meses do ano, mortes no campo já chegam a 40
Só nos cinco primeiros meses do ano, mortes no campo já chegam a 40 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Comitê Brasileiro de Defensoras e Direitos Humanos (CBDDH) enviou documento à ONU e à Organização dos Estados Americanos (OEA), denunciando a violência no Brasil, especialmente na área rural.

Equipes da Secretaria de Segurança do Pará voltam à Fazenda Santa Lúcia - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Violência no campo: uma chaga que não para de crescer
Segundo a advogada Layza Queiróz, uma das elaboradoras e redatoras do documento, a decisão de recorrer à ONU e à OEA se deve ao fato das entidades defensoras de direitos humanos não terem obtido a devida resposta do governo brasileiro em relação à gravidade dessa questão, dada à sucessão de chacinas, especialmente na região norte do país.

Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, Layza Queiróz afirmou:

“O aumento crescente das violações dos direitos humanos no Brasil, principalmente a partir de 2015 e com ênfase nos anos de 2016 e 2017, motivou nossas entidades a enviar esse documento para a ONU e para a OEA. Neste ano, 78% dos assassinatos ocorreram na Amazônia, e a maior parte dos homicídios está ligada a conflitos agrários, envolvendo milícias privadas, latifundiários e o agronegócio.”

A interlocutora da Sputnik confirmou o objetivo do envio do documento para a Organização das Nações Unidas e para a Organização dos Estados Americanos.

“Já que não estamos obtendo resultados positivos com o Estado brasileiro, queremos que a ONU e a OEA pressionem o governo para que a violência seja contida e os defensores dos direitos humanos e as populações menos favorecidas sejam respeitados,” afirmou.

Trabalhadores sem-terra protestam contra mortes de dirigentes em todo o Brasil - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Sangue no campo: assassinatos de sem-terras expõem as vísceras do país
O informe enviado pelo CBDDDH à ONU e à OEA enfatiza casos considerados emblemáticos neste ano de 2017 como as chacinas de Pau D’Arco, no Pará, em maio, quando morreram dez trabalhadores rurais, e de Colniza, em Mato Grosso, onde nove posseiros e agricultores foram executados, em abril; o ataque contra indígenas da etnia Gamela, também em abril, no Maranhão, que resultou em 22 feridos; e o estado de Rondônia que, embora não tenha registrado ataques em 2017, é o que acumula os maiores números de defensores mortos nos anos de 2015 e 2016.

De acordo com o CBDDH e com a Comissão Pastoral da Terra, órgão vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), até agosto de 2017, foram registradas 59 mortes de defensores de direitos humanos no Brasil. Em 2016, período em que foi registrado o maior número de assassinatos nos últimos 32 anos, 66  pessoas foram mortas. Esses fatos levam a advogada Layza Quieróz a apontar as razões para o aumento da violência nas zonas rurais do país:

“A gente atribui o crescimento da violência no campo ao fortalecimento do movimento conservador no Brasil, à consolidação de bancadas fortes no Congresso Nacional, aos ruralistas, a todos enfim que se sentem fortalecidos e, por isso, são responsáveis pela violência no campo.”

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала