Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Especialista diz que último teste norte-coreano com ICBM foi 'um fracasso'

© REUTERS / KCNAThe intercontinental ballistic missile Hwasong-14 is seen during its test launch in this undated photo released by North Korea's Korean Central News Agency (KCNA) in Pyongyang, July, 4 2017.
The intercontinental ballistic missile Hwasong-14 is seen during its test launch in this undated photo released by North Korea's Korean Central News Agency (KCNA) in Pyongyang, July, 4 2017. - Sputnik Brasil
Nos siga no
Um pesquisador da Coreia do Sul afirmou ter dados suficientes para confirmar que o mais recente teste com um míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês), realizado pela Coreia do Norte, pode ser considerado um fracasso.

De acordo com relatório produzido por Lee Sang-min, analista do Instituto Coreano de Análises de Defesas, sediado em Seul, o míssil norte-coreano Hwasong-14 não foi equipado com um sistema de reentrada estável que o permita sair e voltar intacto à atmosfera.

"Eu não vejo nenhum traço de (plasma) no lançamento Hwasong-14", disse ele ao jornal sul-coreano Korea Herald. "É altamente provável que o cone do nariz do míssil não tenha enfrentado um calor extremo — ou não se derreteu uniformemente", disse ele, acrescentando que o míssil poderia errar o alvo se o nariz não manter a sua integridade.

No lançamento do dia 28 de julho, o pesquisador explicou que lhe pareceu claro que o ICBM norte-coreano não teria condições de levar uma ogiva nuclear e mantê-la intacta durante a reentrada na atmosfera terrestre. A falta de geração de plasma na reentrada, segundo Lee, reforça tal avaliação sobre o fracasso do teste.

A base de análise acerca de traços de plasma durante o lançamento de ICBMs remete aos tempos da Guerra Fria, quando tal característica foi visualizada em testes com mísseis intercontinentais de Estados Unidos e Rússia, fosse de dia ou à noite.

Lançador múltiplo de foguetes da Coreia do Norte - Sputnik Brasil
Coreia do Norte pede que Brasil e América Latina não rompam relações como quer os EUA

Para o pesquisador sul-coreano, as imagens de chamas momentos antes da queda do Hwasong-14 próximo à ilha japonesa de Hokkaido reforçam a ideia de que, se carregado com uma ogiva, ela teria explodido ainda na reentrada da atmosfera.

"A forma com que o míssil aparece em chamas é esquisita. Considerando o fato das chamas desaparecerem de repente e não ocorrer nenhuma outra explosão, suspeito que a ogiva poderia ter explodido de maneira anormal", reforçou Lee.

O pesquisador concluiu ainda que o míssil parece ter explodido ainda longe do seu alvo final – aproximadamente a três ou quatro quilômetros do solo –, o que causaria pouco impacto se o míssil levasse uma ogiva nuclear.

"A Coreia do Norte é muito ambiciosa em provar que a sua arma pode chegar aos EUA e convencer a comunidade internacional a acreditar que tem tais capacidades. [Mas] sua tecnologia de reentrada ainda está em fase inicial", disse Lee.

Há a expectativa de que Pyongyang possa conduzir um novo teste balístico em breve, o mesmo sendo válido para um novo teste nuclear – o que seria o sexto na história norte-coreana.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала