Almirante dos EUA quer aumentar frota para não ficar atrás da Rússia

Nos siga noTelegram
Estados Unidos tem que ampliar sua frota para ser capaz de concorrer com países como China e Rússia, considera o chefe do Estado-Maior da Marinha dos EUA, almirante John Richardson.

"Tanto a China quanto a Rússia podem concorrer à escala global em todas as áreas e com velocidade concorrencial. Ambos os países têm forças espaciais, cibernéticas e nucleares significativas", diz Richardson, citado pela edição Defense News.

Novo submarino nuclear russo - Kazan - Sputnik Brasil
Submarino Kazan: o pior pesadelo da Marinha dos EUA
Segundo ele, a Rússia e China "desafiam a influência e os interesses americanos" em várias partes do mundo, muito frequentemente em espaços marítimos. Richardson dá como exemplo o fato de a Rússia ter ampliado a zona de suas operações marítimas nos mares Báltico, Negro, Mediterrâneo e Cáspio. Em particular, ele mencionou que a Rússia manteve e modernizou sua frota submarina e no mês passado lançou à água seu segundo submarino nuclear do projeto Yasen.

"Temos que agir com urgência para alcançar indicadores mais elevados da Marinha o mais rápido possível", declarou almirante.

"O aumento da Marinha pressupõe o aumento do número de navios. Neste momento, o nosso objetivo é uma frota que conte com 310 navios. Se olharmos para a previsão de longo prazo, veremos que para ultrapassar estes limites temos que construir mais navios", acrescentou ele. O próximo objetivo, segundo o almirante, tem que ser atingir a quantidade de 355 navios.

A declaração de Richardson foi feita na véspera da publicação do novo Livro Branco da Marinha dos EUA, destaca a Defense News.

O presidente Trump, antes de ser eleito, prometeu aumentar a frota da Marinha dos EUA para 350 navios.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала