Segunda maior guerrilha da Colômbia, ELN diz não acreditar em paz antes de 2018

© AFP 2022 / Rodrigo BuendiaEmployees make preparations for the start of the talks between the government of Colombia and the ELN guerrillas at the Guayasamin Museum in Quito on October 27, 2016
Employees make preparations for the start of the talks between the government of Colombia and the ELN guerrillas at the Guayasamin Museum in Quito on October 27, 2016 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Exército de Libertação Nacional (ELN) - segundo maior grupo guerrilheiro da Colômbia - afirmou nesta quinta-feira (11) que não vê perspectivas de um acordo de paz até as eleições de 2018 e criticou a postura do governo com grupos paramilitares de extrema-direita.

Antonio Garcia, leader of the National Liberation Army (ELN),looks at his rebel group's flag during a press conference at the Palco hotel in Havana - Sputnik Brasil
'Diálogo com a guerrilha ELN será célere, mas não espere por paz express', avisa Colômbia
As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e o ELN tiveram uma reunião em Havana, Cuba, para discutir o acordo de paz firmado entre o estado colombiano e as FARC. O encontro foi autorizado pelo governo. Os dois grupos também realizaram uma entrevista coletiva na capital cubana.

Essa foi a primeira a primeira reunião das duas partes desde que a FARC assinou o acordo de paz na mesma cidade de Havana, em novembro. Os guerrilheiros já começaram a entregar suas armas.

Desde fevereiro deste ano, o ELN também está negociando com o governo colombiano, em Quito, Equador. Há uma nova rodada de negociações marcada para 16 de maio.

Perguntado se o ELN tem expectativa de fechar um acordo antes das eleições presidenciais e legislativas em 2018, o comandante da ELN Nicolas Rodriguez, conhecido como "Gabino", disse: "A verdade é que nós achamos que não".

"É com pesar que afirmamos que não vemos a vontade do governo de enfrentar, como deveria, os paramilitares como um fenômeno que ameaça a paz", disse Rodriguez.

Em um comunicado conjunto das FARC e do ELN, os grupos afirmaram estarem comprometidos em criar um país mais comprometido com a democracia na Colômbia e eliminar a violência da disputa política.

Mais de 220 mil pessoas já morreram nos confrontes entre governo, ELN, FARC e grupos paramilitares.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала