Moscou censura Israel em defesa da Palestina

© Sputnik / Natalia Seliverstova / Abrir o banco de imagensMinistério das Relações Exteriores da Rússia na Praça Smolenskaya-Sennaya, Moscou
Ministério das Relações Exteriores da Rússia na Praça Smolenskaya-Sennaya, Moscou - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A decisão de Israel de legalizar os assentamentos nos territórios ocupados da Palestina na Cisjordânia compromete os esforços de paz na região, afirmou o Ministério das Relações Exteriores da Rússia nesta quinta-feira (9).

"Moscou percebeu com grande preocupação esta decisão tomada em Israel. Sem dúvida, ela pode ter as consequências mais negativas no que diz respeito à conquista de um acordo israelense-palestino de longo prazo e confiável (…). Os esforços internacionais voltados para o relançamento do processo de paz estão em perigo", disse a chancelaria russa em comunicado.

Parte do assentamento israelense de Maale Adumim, em território ocupado na Cisjordânia - Sputnik Brasil
Trump manda recado 'sutil' a Israel contra construção de novos assentamentos na Palestina
Na última terça-feira (7), o parlamento israelense aprovou uma lei que permite legalizar milhares de casas construídas por colonos israelenses em terrenos privados palestinos na Cisjordânia.

A iniciativa, apoiada pelo governo de direita de Benjamin Netanyahu, visa substituir a demolição de construções por aluguel de longo prazo "até que seja deliberado o estatuto político da região". Desse modo, os moradores das casas passarão a pagar um determinado montante aos proprietários dos lotes de terra palestinos.

Presidente russo Vladimir Putin em encontro com o presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, em 9 de maio de 2015. - Sputnik Brasil
Palestina pede intervenção de Putin para impedir embaixada dos EUA em Jerusalém
A lei é criticada e considerada um roubo das terras palestinas pela oposição no parlamento israelense, por grupos defensores de direitos humanos, pela comunidade internacional e, naturalmente, pelos próprios palestinos.

Atualmente, mais de 500 mil colonos judeus vivem na Cisjordânia, incluindo em Jerusalém Oriental, segundo dados da ONU. Os assentamentos são considerados ilegais pelas Nações Unidas, e o território da Cisjordânia é considerado território ocupado pelo Tribunal Internacional de Justiça.

O Conselho de Segurança da ONU, em 23 de dezembro, aprovou uma  condenando os assentamentos israelenses em território palestino.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала