Opinião: EUA mudam sua atenção do reforço na Europa Oriental para o combate ao Daesh

© AFP 2022 / JIM WATSONO novo presidente dos EUA Donald Trump na Casa Branca, Washington, 20 de janeiro de 2017
O novo presidente dos EUA Donald Trump na Casa Branca, Washington, 20 de janeiro de 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A designação do general James Mattis para o cargo de chefe do Pentágono dos EUA representa a esperança na continuação da política norte-americana no âmbito da OTAN, comunicou o ministro da Defesa da República Tcheca Martin Stropnicky.

Radar norte-americano LOPAR (foto de arquito) - Sputnik Brasil
'Radar dos EUA na República Tcheca significaria continuar escalando relações com a Rússia'
Aqui surge a questão se o flanco oriental da OTAN será realmente mantido no foco da atenção da nova administração de Trump.

"Claro que não, porque James Mattis, apelidado de 'cachorro louco', se interessa menos pela Europa Oriental", comunicou à Sputnik República Tcheca o vice-presidente da Academia de Problemas Geopolíticos, coronel Vladimir Anokhin.

Segundo o analista, toda a atenção será prestada à liquidação do grupo terrorista Daesh. Por isso a região da Europa Oriental e a questão do reforço da presença militar na Europa Oriental vão ficar de lado, acredita Anokhin.

República Tcheca - Sputnik Brasil
Presidente da República Tcheca quer referendo à permanência do país na OTAN e UE
Entretanto, ele acrescentou que a informação divulgada pelo novo ministro da Defesa Martin Stropnicky sobre a decisão da República Tcheca de ceder um batalhão de militares à OTAN, no âmbito do reforço do flanco oriental da Aliança, será lembrada por Moscou, mas ignorada pelos EUA.

"Vou falar em geral sobre a direção estratégica oriental, onde a nossa densidade de divisões, de unidades de tanques e de aviação é muito grande […] O Estado-Maior General está considerando todas as variantes possíveis sem histeria. Sim, acreditamos, que aqui não existe uma ameaça militar direta, mas existe, claro, uma ameaça potencial", sublinhou Vladimir Anokhin, respondendo à questão sobre a reação da Rússia sobre o posicionamento de forças da OTAN perto das suas fronteiras.

O analista adiantou que a Rússia, por seu lado, desloca mais tropas para a região de tensão, assim já foi formado um novo exército de tanques e para lá foram deslocadas duas brigadas de tropas e sistemas de mísseis Iskander-M.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала