- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Jornalista mais perigosa do mundo?

© SputnikMargarita Simonyan, editora-chefe da Sputnik e do canal RT
Margarita Simonyan, editora-chefe da Sputnik e do canal RT - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A editora-chefe da Sputnik e do canal RT tem sido apontada pela inteligência dos EUA como a responsável pela "campanha de influência" que visava favorecer a eleição de Donald Trump.

Margarita Simonyan, editora-chefe da agência Sputnik - Sputnik Brasil
Editora-chefe da Sputnik conta sobre seu 'contato' com Kremlin
Maria José Braga, presidente da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) expressou sua opinião em torno deste assunto destacando que "as críticas foram direcionadas contra a jornalista que chefia esses meios de comunicação russos por ser responsável pela eventual interferência russa nas eleições". Em entrevista à Sputnik Mundo, Braga explicou que "uma só pessoa não pode definir a política de um Estado".

Na opinião de Braga, é normal a existência de políticas editoriais, "mas não há nada que signifique uma intervenção política direta".

Segundo a presidente da FENAJ, o conteúdo do relatório foi revelado através de comunicados da mídia sem oferecer nenhuma prova:

Não há nenhuma comprovação de que realmente tenha sido interferido ou intencionado interferir nas eleições, aponta Braga.

"Todos os Estados possuem suas políticas de comunicação. E claro que um país como Rússia tem a sua própria e tem o direito de realizá-la", sublinhou.

A redação da agência internacional Sputnik - Sputnik Brasil
Inteligência dos EUA diz que Sputnik, RT e 'trolls' russos intervieram nas eleições
As notícias representam Simonyan como a jornalista mais perigosa do planeta. Como exemplo, pode ser utilizado um artigo publicado no jornal argentino La Nación. Segundo Braga, "o texto de La Nación, escrito por uma mulher-jornalista, é um exemplo de anti-jornalismo" e não tem "informações concretas".

"Quando se trata de figuras públicas femininas, o sexismo está sempre presente, começando com a descrição física que absolutamente não intervêm na sua atividade profissional", conclui a presidente da FENAJ.

O relatório publicado pelos serviços de inteligência dos EUA menciona o nome de Simonyan 27 vezes e a acusa de ter atuado através da Sputnik e do RT "como uma plataforma que visa aproximar a mensagem do Kremlin dos auditórios estrangeiros".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала