'Invencibilidade das Forças Armadas dos EUA é um mito'

© flickr.com / U.S. Pacific FleetUSS John C. Stennis (CVN-74), um super-porta-aviões de propulsão nuclear norte-americano da classe Nimitz
USS John C. Stennis (CVN-74), um super-porta-aviões de propulsão nuclear norte-americano da classe Nimitz - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Segundo escreve o autor do artigo publicado pela edição The Week, o mito sobre a invencibilidade dos EUA pode ser desmontado por qualquer adversário suficientemente "experiente e audaz".

Base militar americana com armas nucleares (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Opinião: EUA nunca darão o primeiro passo rumo à guerra nuclear
Antes da Segunda Guerra Mundial, a França era considerada invencível até à sua invasão pelos nazistas. Os EUA enfrentam uma situação parecida, destaca o autor do artigo da The Week, e podem perder sua reputação devido a algumas razões.

Em primeiro lugar, os Estados Unidos constroem demasiados porta-aviões sem se darem conta que as técnicas de combate usando esses navios não mudaram desde meados do século XX.

"Até hoje, a vantagem dos porta-aviões dos EUA significava que, por exemplo, qualquer tentativa da China de ocupar Taiwan seria loucura. Agora isso parece quase um convite: a China, com seus mísseis balísticos antinavio, pode afundar metade da frota dos EUA antes de ela se aproximar da ilha", diz o artigo.

Em segundo lugar, a Rússia e a China estão alcançando os EUA em termos de tecnologias stealth na construção de caças. Se trata tanto de seus próprios aviões, como de tecnologias que permitem detectar aeronaves americanas.

Presidente dos EUA Barack Obama discursa durante a sua visita a Cabul, Afeganistão - Sputnik Brasil
Pesquisa revela o que militares americanos acham de Obama
Desde o início dos anos 90, a Força Aérea dos EUA se focou no desenvolvimento de tecnologias stealth, mas agora ela precisa de algo de diferente, declara o autor. Para além disso, os estrategistas americanos não conseguem realizar o conceito da Guerra Centrada em Rede do jeito que eles querem.

No âmbito desta guerra, os militares estão ligados entre si por redes, e isto permite se orientarem na situação de modo mais rápido. Durante a guerra no Iraque este sistema funcionou, mas com falhas.

"Pode ser que eles esperassem essas falhas. Ou talvez isso revele a tendência do Pentágono para assinar contratos de produção de tecnologias caríssimas e ambiciosas que não funcionam", pressupõe autor.

De acordo com ele, se ele estiver certo em pelo menos um dos pontos, isto significa que os EUA são vulneráveis a um ataque destruidor, tal como a França em 1940. "Se eu sei disso, tenho certeza que Moscou e Pequim também sabem", conclui o autor.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала