Obama afirma que influência de Moscou e Pequim nunca se comparará com a de Washington

© REUTERS / JOHN GRESSBarack Obama durante seu último discurso no cargo presidencial no Palácio de McCormick em Chicago, 11 de janeiro de 2017
Barack Obama durante seu último discurso no cargo presidencial no Palácio de McCormick em Chicago, 11 de janeiro de 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente dos EUA, Barack Obama, no seu último discurso chamou a Rússia e a China de adversários de Washington.

Contudo, a influência de Moscou e Pequim no palco internacional nunca se comparará com a de Washington.

"Adversários, tais como a Rússia e a China, não poderão se comparar com a nossa influência no mundo, se nós não abdicarmos do que estamos defendendo e não nos tornarmos em apenas mais um grande país que briga com os países vizinhos menores", disse Obama discursando em Chicago.

Ele também advertiu que os valores democráticos não devem se tornar mais fracos nos EUA e no resto do mundo. De acordo com Obama isto pode provocar guerras civis e mundiais.

Representante oficial do Ministério das Relações Exteriores russo, Maria Zakharova, durante a entrevista coletiva semanal, Moscou, Rússia, 18 de fevereiro de 2016 - Sputnik Brasil
Zakharova: 'Deus fez o mundo em sete dias - Obama tem dois a mais para destruir tudo'
Para além disso, ele declarou que a ordem mundial está sendo ameaçada pelos fanáticos islamistas e ditadores que governam em alguns países. Como acredita Obama, estas ameaças são mais perigosas para os EUA do que "um carro-bomba ou um míssil".

No seu último discurso Obama também expressou o desejo de que o Daesh (grupo terrorista, proibido na Rússia) seja derrotado.

"Ninguém que ameace os EUA estará em segurança", acrescentou o presidente americano.

Barack Obama deixará o cargo presidencial em 20 de janeiro. O novo presidente dos EUA será o republicano Donald Trump.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала