Rússia e extremismo islâmico – as duas principais ameaças à OTAN nos Bálcãs

© REUTERS / Jonathan ErnstMembros da OTAN durante o encontro em Bruxelas em 2 de dezembro, 2015
Membros da OTAN durante o encontro em Bruxelas em 2 de dezembro, 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Na quarta-feira (14), a edição croata Vecernji list publicou um documento alegadamente secreto da OTAN, relacionado à segurança nos Bálcãs.

A publicação afirma que, de acordo com o Plano de ação aprovado em uma reunião dos chanceleres da Aliança deste mês, a OTAN está pronta para intervir rapidamente na situação na península para prevenir conflitos interétnicos, bem como para combater a expansão da influência russa. Duas ameaças enfrentadas pelos países dos Bálcãs são definidas desta forma: 1. O crescente extremismo e a radicalização, responsáveis pelo retorno dos militares da Síria e do Iraque 2. O comportamento de Moscou que abala a estabilidade.

O ex-comandante supremo da OTAN na Europa Philip Breedlove - Sputnik Brasil
Lavrov: OTAN descumpre obrigações de segurança na Europa
"Este documento comprova o desejo da Aliança de provocar o novo caos nos Bálcãs, para, em seguida, controlá-los e direcioná-los na direção certa", disse à Sputnik Sérvia o analista político sérvio, Aleksandar Pavic.

"A Aliança é o fator principal que pode causar uma guerra na Europa. Com a ajuda desta organização, está se criando uma atmosfera de incitamento à guerra, bem como certo "superaquecimento" da Europa, em primeiro lugar, graças à histeria antirrussa. A prioridade principal da Aliança agora é expulsar dos Bálcãs toda a influência russa, tudo o resto é secundário para ela", diz Pavic.

Quanto ao extremismo islâmico, o analista afirma que a sua erradicação não pode ser o principal objetivo da Aliança, pois a OTAN "usa o extremismo em suas próprias finalidades geopolíticas".

"A Aliança, por exemplo, não pressiona de forma alguma [o membro da Presidência da Bósnia e Herzegovina] Bakir Izetbegovic para que ele feche acampamentos wahhabitos e estabeleça o controle sobre os que retornam da guerra na Síria. As ambições da OTAN são claras — neutralizar a influência da Rússia e provocar um conflito com a Rússia para, em seguida, ganhar um bom dinheiro na Guerra Fria. Não há outros motivos da existência da OTAN."

Segundo o entrevistado, a OTAN nunca falará abertamente sobre a intervenção militar nos assuntos internos de outros países, bem como sobre as mudanças diretas de regime, embora faça exatamente isso. Ao contrário, todas as suas ações são mascaradas com a "preservação e estabilidade mundial" e com outras palavras neutras.

Como os dois objetivos principais da "estabilização" com a assistência da OTAN, Pavic nomeia a Sérvia e a República da Sérvia, que interfere na integração da Bósnia e Herzegovina na Aliança, embora agora a prioridade seja a adesão de Montenegro, que os líderes da Aliança desejam realizá-la antes da tomada de posse de Trump, que acontecerá em 20 de janeiro.

"Isso é importante para a Aliança, pois, através de Montenegro, ela poderá intervir nos assuntos dos Bálcãs de forma absolutamente legal. Assim, Montenegro se tornará o novo "Bondsteel", muito maior do que no Kosovo", afirma Pavic.

Parlamento da Sérvia - Sputnik Brasil
Sérvia não tenciona introduzir sanções contra Rússia se ingressar na UE
Professor da faculdade de ciências políticas da Universidade em Banja Luka, Aleksandar Vranjes, afirma que qualquer intervenção da OTAN quanto à Sérvia será considerada como agressão, pois a Sérvia é um Estado neutro.

"Quais explicações justificariam o fato de a OTAN se dar o direito de intervir nos assuntos dos Bálcãs, se é sabido que nem todos os países da região fazem parte da Aliança? Mesmo que o roteiro do conflito interétnico seja realizado, a Sérvia continua a ser um Estado neutro, portanto, a intervenção da OTAN será considerada como agressão", frisa Vranjes.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала