Por que China está na porta da África

© Foto / wikipedia.org/NASADjibouti
Djibouti - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A China está construindo intensivamente uma base militar sua no Corno da África, que também é considerado como porta para a África.

O membro do conselho militar e chefe do Estado-Maior Conjunto do Exército de Libertação Popular (ELP) Fang Fenghui agradeceu, durante um encontro em Pequim, ao chefe do Estado-Maior de Djibouti pela cooperação na construção da base.

Este já é o segundo contato entre os dois altos responsáveis militares no último mês. Nos finais de novembro, o vice-chefe do presidente do Conselho Central Militar da China, Fan Changlong, visitou Djibouti.

© Foto / Digital Globe/Google EarthMapa de Djibouti no local da atual construção da base militar da China - antes do início de trabalhos.
Mapa de Djibouti no local da atual construção da base militar da China - antes do início de trabalhos - Sputnik Brasil
1/2
Mapa de Djibouti no local da atual construção da base militar da China - antes do início de trabalhos.
© Foto / Digital Globe/Google Earth Mapa de Djibouti no local da construção da base militar da China
Mapa de Djibouti no local da construção da base militar da China - Sputnik Brasil
2/2
Mapa de Djibouti no local da construção da base militar da China
1/2
Mapa de Djibouti no local da atual construção da base militar da China - antes do início de trabalhos.
2/2
Mapa de Djibouti no local da construção da base militar da China
A mídia ocidental informou que a construção da primeira base militar chinesa no estrangeiro foi o tema principal das negociações.

Os soldados do exército dos EUA da 101ª Divisão Aerotransportada - Sputnik Brasil
Quais são as chances do futuro chefe do Pentágono aplicar ações severas contra China?
O entendimento para a construção da base foi atingido durante o encontro entre o presidente chinês Xi Jinping e o seu homólogo de Djibouti Ismaïl Omar Guelleh em dezembro de 2015. Nos finais de janeiro de 2016, Pequim confirmou a assinatura do acordo respectivo.

Hong Lei, porta-voz da chancelaria chinesa, declarou em 21 de janeiro que a base permitirá prestar apoio logístico a navios militares da China durante as operações contra piratas.

Em Pequim a base não é classificada como militar. Ela é frequentemente chamada de base de reabastecimento material e apoio técnico.

Em 30 de novembro, o representante oficial do Ministério da Defesa da China Yang Yujun notou que a base em Djibouti se destina ao reabastecimento do corpo de manutenção de paz que presta serviço no país onde estão aquartelados cerca de 800 soldados da paz.

Ao mesmo tempo, o responsável oficial do ELP admitiu que de fato se trata da construção de uma base militar da China no estrangeiro.

Ele declarou que "não está informado sobre quaisquer planos para a construção de bases em outras regiões, além de Djibouti".

Porto de Djibouti - Sputnik Brasil
China construirá sua 1ª base naval ultramarina perto de base dos EUA no Djibouti
Além dos militares chineses, no território desse país africano também estão presentes militares do Japão, Alemanha e Espanha e há bases militares da França e dos EUA. O território é usado no combate à pirataria. Os franceses estão no território desde a época colonial, e os americanos, que atualmente tem lá cerca de 4.000 soldados, desde 1999.

Estes últimos aproveitam o território para apoio às operações militares no Iêmen e Somália, especialmente para realizar ataques de drones contra terroristas.

Ao criar a base militar em Djibouti, a China cria mais um atributo de potência mundial, destacou na entrevista à Sputnik China o especialista em África e Oriente Médio Stanislav Tarasov:

"Estamos falando do cenário normal das ações de um Estado que compreende a sua importância e começa realizando seu potencial no plano geopolítico. Tudo isso é completamente lógico. Vimos primeiramente o reforço de seu potencial econômico, e depois também da influência política da China. Atualmente ela está conquistando as suas posições no mundo, num sentido geopolítico amplo, com atributos clássicos de presença regional. Estes são a compra de ativos e a abertura de empresas no estrangeiro, e agora também de bases."

Tarasov destacou também que o fortalecimento chinês acontece simultaneamente com o enfraquecimento dos EUA, que estão perdendo peso político "por falta de vontade em procurar uma linguagem comum com os outros países".

Ilustração: EUA, China e Rússia - Sputnik Brasil
Será que Rússia, China e EUA podem se tornar os novos Três Grandes?
Ainda de acordo com o especialista russo, o papel geopolítico que a base em Djibouti desempenha é imenso pela sua proximidade às vias de comércio mundial e canais de transporte de matérias-primas.

Por isso é muito importante ter um ponto de manutenção de navios e assegurar o acesso logístico das empresas estrangeiras aos mercado da Etiópia e dos países do Mercado Comum da África Oriental e Austral (COMESA na sigla em inglês). É pela existência deste mercado e pela necessidade de garantir acesso a este através de Djibouti que o Corno da África é chamado de porta de África.

O especialista chinês do Centro das Relações Internacionais do Instituto de Comunicações (Pequim) Yang Mian destacou também na entrevista à Sputnik China a importância estratégica da base em Djibouti para o seu país.

"Não é uma base militar no sentido comum. A base que a China atualmente está construindo em Djibouti está orientada primeiramente para o apoio material, técnico e logístico à marinha de guerra, mas ela não possui funções estratégicas", disse.

A China tem posições muito fortes no local após executar uma série de grandes projetos importantes, inclusive a construção, a terminar em 2016, da ferrovia de Djibouti a Adis Abeba, capital de Etiópia, que custou 4 bilhões de dólares. Este fato é destacado como muito importante por vários especialistas, porque esta ferrovia abre possibilidades ao aproveitamento do mercado da Etiópia e de todo o mercado da África Oriental.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала