Rússia corre o risco de perder seu status de grande potência espacial

© Sputnik / Grigory Sysoev / Abrir o banco de imagensSuperlua no cosmódromo Baikonur
Superlua no cosmódromo Baikonur - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Federação da Rússia terá no final de 2016 pela primeira vez menos lançamentos espaciais do que os EUA e a China, disse a jornalistas na terça-feira (29) o primeiro vice-chefe da Corporação espacial estatal russa (Roscosmos), Aleksandr Ivanov.

"Este ano será a primeira vez em que o número de lançamentos é menor do que o dos Estados Unidos e da China", disse ele durante uma conferência em Korolev.

Segundo as suas palavras, isso acontece devido ao fato de o Programa Espacial Federal ter outros objetivos, nomeadamente a criação de vários agrupamentos orbitais de satélites.

"O Programa Espacial Federal é orientado e organizado de modo a que, em primeiro lugar, é dada atenção ao restabelecimento do agrupamento orbital. Nós reduzimos o número de lançamentos nos interesses do Programa Espacial Federal (FKP — na sigla em russo)".

Veículos espacial Cygnus transportando mais de três toneladas de carga se aproxima da Estação Espacial Internacional em 9 de dezembro. A imagem foi publicada pela NASA no Twitter. - Sputnik Brasil
NASA causa incêndio no espaço (VÍDEO)
Está sendo criado um agrupamento orbital de satélites de telecomunicações, um outro de sondagem da Terra, bem como estabelecida uma série de unidades para fins militares, a primeira tarefa do programa Espacial foi orientada precisamente para isso", disse Ivanov.

Há quem tenha outra opinião. A indústria espacial russa está estagnada e não assegura a preservação da Rússia no século XXI como a principal potência espacial, disse na terça-feira (29) Grigory Chernyavsky, membro-correspondente da Academia de Ciências da Rússia e diretor do centro cientifico-técnico Cosmonit.

"A indústria espacial ainda está em um estado de estagnação e não permite, na minha opinião, a manutenção do status da Rússia como principal potência espacial no século XXI. O novo Programa Espacial Federal também não incute otimismo, especialmente após a redução do financiamento estatal. Parece que esta questão precisa de soluções sérias ", disse ele na conferência "Cosmonáutica do século XXI".

Primeiro foto de Vénus feito pela sonda planetária Mariner 10 - Sputnik Brasil
NASA e Roscosmos discutem possível missão conjunta a Vênus
O Programa Espacial para os anos de 2016-2025 prevê, na primeira fase, que o agrupamento orbital de satélites civis (para fins económicos e científicos) adquira a estrutura mínima necessária, contando principalmente com os satélites instalados nos anos anteriores. Um reequipamento parcial está previsto só na segunda fase, com início em 2021.

O financiamento do Programa Espacial é de 1.521 triliões de rublos. Estão previstos testes do foguete pesado Angara com uma espaçonave tripulada de nova geração, lançamentos a partir do cosmódromo Vostoshny em 2023, o estudo da Lua com o lançamento de cinco naves espaciais em direção ao nosso satélite, a continuação de funcionamento da Estação Espacial Internacional e a participação no programa Exomars.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала