Ofensiva de curdos contra Daesh em Raqqa pode agravar relações entre EUA e Turquia

© flickr.com / Beshr AbdulhadiRaqqa
Raqqa - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Especialista entrevistado pela Sputnik considera que a operação de libertação de Raqqa com participação curda levará ao agravamento das relações entre EUA e Turquia.

Combatentes das Forças Democráticas da Síria se preparam para disparar contra posições do Daesh na província de Raqqa, na Síria - Sputnik Brasil
Washington insiste na operação em Raqqa após Mossul
Tendo como fundo a operação de libertação da cidade de Mossul (Iraque), na semana passada foram anunciados pela coalizão os preparativos para o início da operação na cidade de Raqqa (Síria).

As respectivas declarações foram emitidas por representantes da liderança americana, que sublinharam que o papel principal no ataque a Raqqa está previsto ser desempenhado pelas tropas das Forças Democráticas da Síria (SDF), que em muito se baseiam nas forças de autodefesa curdas YPD (Unidades de Proteção Popular).

Enquanto isso, o premiê turco Binali Yildirim declarou recentemente que a Turquia apenas está pronta pera prestar apoio à operação de libertação de Raqqa na condição de as forças curdas não participarem dela.

Soldados do exército sírio carregam um missil a ser disparado contra as posições do Daesh em Raqqa - Sputnik Brasil
Pentágono revela quando será iniciada operação em Raqqa
O especialista em questões de Oriente Médio e observador político Bora Bayraktar comentou em conversa com a Sputnik Turquia a situação em Raqqa e a próxima operação de libertação da cidade síria, destacando possíveis cenários de desenvolvimento da situação síria em geral.

Bayraktar pensa que a posição de Washington em relação à Raqqa ainda não é clara, tal como já aconteceu no Iraque e no Afeganistão, as ações americanas podem de novo resultar em caos.

"Fica a sensação que o comando americano se orienta pela lógica seguinte: primeiro começamos a operação de libertação de Raqqa simultaneamente com a campanha que decorre em Mossul e depois veremos qual será o resultado e que proveito poderemos tirar disso," destacou.

O especialista notou que uma posição semelhante é muito arriscada para os curdos sírios, porque o Partido de União Democrática (PYD), que a Turquia considera como terrorista, seria envolvida em ações militares fora do seu território.

"Acho que a intervenção deles em Raqqa, onde na sua maioria vivem sunitas, poderá resultar em um grave conflito árabe-curdo, porque as forças sunitas locais não ficarão certamente contentes com a presença das forças de autodefesa curdas," explicou o entrevistado.

O observador político opina que os Estados Unidos, se baseando nas suas ideias, dão passos que podem causar uma séria discórdia entre as forças locais.

Considerando a situação do ponto de vista turco o especialista disse:

"A Turquia considera que existe uma ameaça permanente à sua segurança na região. A liderança do país considera que está duplamente cercada. De um lado é a situação em torno da fronteira do sul da Turquia, onde está ativo o crescente xiita apoiado pelo Irã. Por outro lado são as ações dos curdos sírios do PYD que visam a criação de um corredor curdo entre [a cidade de] Sinjar e [as montanhas de] Qandil."

Ainda de acordo com ele, atualmente é bastante difícil prever como se desenvolverão as relações entre a Turquia e os Estados Unidos, caso as forças curdas participem da libertação de Raqqa.

"Com uma grande probabilidade, podemos supor que isso levará ao agravamento das relações entre Washington e Ancara," notou.

Militares sírios treinando para usar explosivos - Sputnik Brasil
Batalha por Raqqa: o que querem os EUA com sua operação 'urgente' na Síria?
Bayraktar comentou também a cooperação turco-russa na região, dizendo pensar que o lado turco está muito interessado em continuar as relações ao mais alto nível, tendo em conta as fortalecidas posições russas após a operação antiterrorista na Síria.

Além disso, ele destaca que a Turquia precisa realmente da Rússia:

"Durante o agravamento das relações, após o incidente com o avião, nós fomos testemunhas de que ficando sozinha com os EUA a Turquia ficaria sem trunfos contra o Ocidente. Mas quando Ancara melhorou suas relações com Moscou, ela adquiriu espaço de manobra nas áreas diplomática e militar."

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала