Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Americanos inventam de novo 'bicho-papão russo' para assegurar vitória de Clinton

Nos siga no
A histeria anti-russa atingiu um nível sem precedentes nesta semana nos EUA depois que a revista Newsweek acusou um dos presidenciáveis norte-americanos, Donald Trump, de ser um fantoche que "promove a propaganda de Putin".

Presidenciavel democrata Hillary Clinton - Sputnik Brasil
WikiLeaks: Clinton ameaça 'cercar a China com sistemas antimíssil'
Muitas das publicações norte-americanas já se mostraram prontas a apoiar esta linha, sem sequer ter em conta as evidências.

Um dos que se opõe a esta retórica é o jornalista Glenn Greenwald, vencedor do prémio Pulitzer.

Nesta segunda-feira (10), a Newsweek publicou um artigo de Kurt Eichenwald, que acusou a Sputnik de contribuir para a campanha eleitoral de Trump com declarações anti-Clinton. Não obstante estas alegações terem sido baseadas em uma coincidência (Trump e o autor da Sputnik viram o mesmo tweet citado depois por Trump), a mídia norte-americana aproveitou esta história para desenvolver a retórica sobre o envolvimento russo nas eleições norte-americanas.

Vladimir Putin fala à então secretária de Estado norte-americano Hillary Clinton na cúpula da APEC, Vladivostok, Rússia, 2012 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Clinton elogiava Putin antes do começo da campanha eleitoral
Greenwald foi o primeiro a criticar a teoria de conspiração de Eichenwald e apresentou fatos reais.

"O fato de que tantos jornalistas razoáveis, inteligentes, cautelosos e outros comentadores, colaboradores de centros de pesquisa, foram apanhados de súbito nesta atmosfera de histeria e essencialmente espalham esta ideia que ele descobriu uma ignóbil conspiração russa…isso preocupou-me muito", disse Greenwald.

"Isso em grande medida tem um caráter de histeria – usar a tática de McCarthyite, que consiste em acusar alguém de quem você não gosta na área política, alguém que considera o seu adversário interno, de ser um instrumento do Kremlin", disse. "O mais importante é que descrevem Moscou e a Rússia como uma ameaça grave, quase existencial para os EUA".

Candidata à Presidência dos EUA pelo Partido Democrata, Hillary Clinton - Sputnik Brasil
WikiLeaks divulga nova leva de provas sobre complô de Clinton com a mídia dos EUA
Esta abordagem das eleições norte-americanas permite que a mídia dominante dos EUA silencie outras ações norte-americanas.

"[As notícias sobre eleições] têm um efeito de cegar os cidadãos para a maior parte do que acontece, inclusive o que o governo dos EUA continua a fazer sob o controle do atual presidente. Por exemplo, somente na semana passada ocorreu um ataque terrível e deliberado da Arábia Saudita que usou as armas norte-americanas contra um funeral no Iêmen, que matou 140 pessoas e feriu mais de 550", disse Greenwald.

Ele acrescentou que este fato praticamente não foi divulgado. 

A candidata ao cargo presidencial dos EUA Hillary Clinton em Nova York - Sputnik Brasil
WikiLeaks: Clinton chama Arábia Saudita e Qatar de 'apoiadores financeiros' do Daesh
Na sua opinião, agora a maior parte dos jornalistas são leais a um dos candidatos, especialmente a Hillary Clinton, e, por isso, estão interessados em contar histórias que podem ajudá-la a vencer. Mesmo que esta russofobia seja uma retórica pré-eleitoral, isso pode ter repercussões graves.

"Não se pode convencer o eleitorado de que Vladimir Putin é um malvado, um Maquiavel, o mal supremo, que tenciona quase conquistar os EUA e ditar o resultado das nossas eleições…sem que isso tenha consequências", disse Greenwald.

O jornalista disse que falar do "bicho-papão russo" é uma velha tática política norte-americana, embora usada tradicionalmente pela direita contra a esquerda.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала