Merkel e Hollande acordaram em impulsionar 'formato da Normandia'

© AFP 2022 / JOHN MACDOUGALL Angela Merkel e Pyotr Poroshenko durante coletiva de imprensa em Berlim, em 24 de agosto de 2015
Angela Merkel e Pyotr Poroshenko durante coletiva de imprensa em Berlim, em 24 de agosto de 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, e a chanceler alemã, Angela Merkel, acordaram em reforçar os esforços diplomáticos no âmbito do grupo de contato do 'formado da Normandia' (França, Alemanha, Rússia e Ucrânia) para o cumprimento dos Acordos de Minsk em relação à segurança .

Quarteto da Normandia: Vladimir Putin, Angela Merkel, Francois Hollande, e Pyotr Poroshenko. - Sputnik Brasil
Putin não vê alternativa ao 'Formato da Normandia' para resolver crise ucraniana
"O presidente da Ucrânia Pyotr Poroshenko realizou uma conversa telefônica com a chanceler Angela Merkel..As partes acordaram em ativar os esforços diplomáticos no âmbito do grupo de contato trilateral e do 'formato da Normandia' a fim de cumprir os acordos de Minsk ligados à segurança", informou o serviço de imprensa da presidência ucraniana. 

As partes também discutiram a situação da segurança em Donbass, no leste ucraniano. Durante a conversa, Poroshenko manifestou preocupação em relação à provocação em Donbass, incluindo o uso de armas pesadas, apesar do anúncio do cessar-fogo em 1° de Setembro.

O formato do chamado Quarteto da Normandia, incluindo França, Alemanha, Rússia, Ucrânia, foi criado em meados de 2014 com o objetivo de encontrar uma solução para o conflito envolvendo a região de Donbass, no leste ucraniano, onde em abril de 2014 as autoridades de Kiev lançaram uma operação militar para reprimir os movimentos independentistas. O grupo foi formado após um encontro realizado na Normandia para comemorar o 70º aniversário do desembarque das tropas aliadas na Segunda Guerra Mundial.

Apesar de tratar-se de um conflito interno, Kiev e o Ocidente exigem que a Rússia também cumpra os Acordos de Minsk, acusando Moscou de apoiar os independentistas de Donbass e de interferir nos assuntos internos da Ucrânia. Kremlin, no entanto, garante que não tem qualquer envolvimento na crise interna ucraniana e que está totalmente interessado numa resolução pacífica do conflito no país vizinho.


Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала