Erdogan: 'nenhum problema' com operação conjunta com EUA

© AFP 2022 / YASIN BULBUL / POOLPresidente norte-americano Barack Obama fala com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan durante o encontro bilateral nas margems da cúpula do G20 em Antália, Turquia, 15 de novembro de 2015
Presidente norte-americano Barack Obama fala com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan durante o encontro bilateral nas margems da cúpula do G20 em Antália, Turquia, 15 de novembro de 2015 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Ancara está disposta a aceitar a proposta de Washington sobre a operação conjunta de libertação da cidade síria Raqqa de jihadistas do Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia), declarou o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan.

"Raqqa é um centro maior do Daesh. O presidente Obama me disse que queria fazer algo em conjunto conosco com Raqqa. Dissemos que para nós não há nenhum problema. Nós propusemos aos nossos militares que se reunirem e discutirem a questão de como fazê-lo", disse Erdogan a jornalistas durante voo de volta da cúpula do G20, realizada na cidade chinês de Hangzhou. As palavras do líder turco são citadas pelo jornal Hurriyet.

Erdogan acrescentou que a Turquia "deve mostrar que está presente na região" e não tem o direito de "dar um passo atrás".

Russian President Vladimir Putin, right, and Turkish President Recep Erdogan during the group photo session of the heads of G20 nations, invitees and international organizations in Hangzhou - Sputnik Brasil
Putin e Erdogan falam sobre Síria e relações bilaterais na cúpula do G20
O presidente também observou que Ancara não experimenta problemas com Washington na realização de operações no norte da Síria. Em 24 de agosto exército turco lançou a operação Escudo de Eufrates, durante a qual foi libertada a cidade de Jarablus. Enquanto isso, Ancara continua a operação contra os curdos sírios.

Raqqa está sob controle de terroristas desde 2013. Jihadistas criaram lá órgãos de administração de califado e declararam a cidade do seu "capital".

O assédio em Raqqa é realizado pelas chamadas Forças Democratas da Síria, integradas principalmente pelas tropas irregulares curdas YPG eles têm suporte aérea da coalizão internacional.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала