Legisladores pedem a Obama que adie venda de armas à Arábia Saudita

Nos siga noTelegram
Um grupo de 60 legisladores dos EUA pediram ao presidente Barack Obama para adiar a venda de armas e munições para a Arábia Saudita, calculada num valor de $ 1,15 bilhões , informa a mídia.

A carta cita como justificativa ao adiamento da venda, a morte constante de civis do Iêmen causada pelos ataques aéreos da coalizão liderada pela Arábia Saudita.

"Esta campanha militar vem causando um impacto muito preocupante sobre os civis. Apenas nos últimos dias, um ataque aéreo saudita em uma escola no Iêmen matou 10 crianças, algumas com apenas 6 anos de idade", a edição norte-americana Foreign Policy cita a carta.

Escombros de casas destruídas em ataques aéreos liderados pela Arábia Saudita no Iêmen - Sputnik Brasil
Bombardeio mata dez crianças no Iêmen
No pedido, legisladores expressaram a preocupação com o fato de que a decisão de enviar as armas para a Arábia Saudita foi tomada durante o recesso do Congresso em agosto, "deixando o Congresso com pouco tempo para considerar assuntos relacionados às armas".

Em 9 de agosto, o Departamento de Estado dos Estados Unidos aprovou a venda de armas e munições para Riade. O Congresso, que voltará a se reunir em 6 de setembro, terá apenas dois dias para bloquear esta decisão.

Iêmen é palco de um conflito militar entre o governo e rebeldes. Desde março de 2015, a coalizão liderada pela Arábia saudita levou países do Golfo Perso a realizar ataques aéreos contra os rebeldes a pedido do governo legítimo.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU disse em um relatório no início deste mês que cerca de 3.800 civis foram mortos e mais de 6.700 ficaram feridos no Iêmen entre março de 2015 e agosto de 2016.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала