Assange: sauditas podem ser os principais patrocinadores de Clinton

© AFP 2022 / BRENDAN SMIALOWSKI A Secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton realiza uma coletiva de imprensa conjunta com o ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita (foto de arqiuvo)
A Secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton realiza uma coletiva de imprensa conjunta com o ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita (foto de arqiuvo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Arábia Saudita, pode ser o maior patrocinador da fundação da família Clinton (Clinton Foundation), declara Julian Assange, fundador do WikiLeaks.

Hillary Clinton, pré-candidata democrata à presidência dos EUA - Sputnik Brasil
Hillary Clinton é acusada de patrocinar Forças Armadas russas
"A escala das relações entre a Arábia Saudita e Hillary Clinton, bem como entre a Arábia Saudita e a Fundação Clinton, é muito grande. Provavelmente, a Arábia Saudita é um dos maiores doadores da Fundação. Basta ver que política na área de exportação de armamentos ela apoiava quando ocupava o cargo de Secretária de Estado. Ela era muito favorável em relação à Arábia Saudita", disse Assange em uma entrevista à RT.

O fundador do WikiLeaks também comentou as publicações da imprensa francesa de que o patrocinador da Fundação Clinton e fabricante de materiais de construção Lafarge supostamente enviou o dinheiro ao Daesh (grupo terrorista, proibido na Rússia). Assange, com referência às publicações francesas, disse que a empresa Lafarge "acabou envolvida no conflito sírio".

"A investigação, realizada pela edição Le Monde, revelou que a empresa pagou ao Daesh os chamados impostos para exercer suas atividades em determinadas regiões da Síria. Na verdade, eles acordaram com os terroristas várias transações comerciais. Já mais recentemente, em 2015-2016, o dinheiro de Lafarge ia para a Fundação Clinton", disse ele.

Assange explicou que a secretária de Estado Hillary Clinton tem "relações de longo prazo" com Lafarge, ela fazia nomeadamente parte do conselho de administração da empresa. O fundador do WikiLeaks também destacou que o portal on-line publicou anteriormente cerca de dois mil e-mails relacionados com a Síria e mais de 350 deles estavam ligados à referida empresa.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала