- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Partidos criticam indiciamento do presidente da CUT por incitação ao crime

ENTREVISTA COM ERIK BOUZAN 2 DE 08 07 16
Nos siga noTelegram
A Polícia Civil do Distrito Federal indiciou o presidente nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Wagner Freitas, por incitação ao crime. Em agosto de 2015, em reunião dos movimentos sindicais no Palácio do Planalto para defender a presidente Dilma Rousseff, Wagner disse que era hora de os manifestantes "pegarem em armas".

O processo estava em poder da Polícia Federal até junho deste ano e foi enviado à Polícia Civil em Brasília, de onde será remetido ao Ministério Público para ser analisado por um Juizado Especial Cível. A incitação ao crime é prevista no artigo 286 do Código Penal e prevê detenção de três a seis meses mais multa. Segundo vários especialistas em Direito, mMesmo se o presidente da CUT for condenado, dificilmente será preso, tendo a pena revertida em serviços comunitários. A representação contra o sindicalista foi apresentada pelo Major Olimpo (PDT-SP) e trechos do discurso de Wagner na internet serão usados como prova.

Procurada pela Sputnik, a assessoria da CUT informou que Wagner não falaria neste momento. Em declarações anteriores, porém, antes do indiciamento, o sindicalista explicou que a expressão usada se referia à arma da palavra, da organização dos trabalhadores, de um debate de ideiais e não a violência.

Na opinião do presidente da Juventude do PT em São Paulo, Erik Bouzan, contudo, esse é um processo de criminalização dos movimentos sociais que se acirrou no processo de construção do impeachment, mas que vem se potencializando cada vez mais nos últimos meses.

CUT participa de evento do Dia do Trabalhador, em SP - Sputnik Brasil
CUT não reconhece novo governo e vai ampliar mobilizações

"Não é à toa que tem o ministro (da Justiça) Alexandre de Moraes, que já declarou a perseguição aos movimentos sociais. Parece muito nítido que isso é friamente planejado, tem data para acontecer, as pautas-bomba estouram no momento em que essa direita quer e com o único propósito de prejudicar qualquer tentativa de volta à normalidade democrática com a reinserção da presidenta Dilma. Eles estão fazendo isso porque há uma pauta muito forte de denúncias de corrupção e de abafamento de corrupção desse governo golpista. O Cunha e o Temer se reúnem quase toda a semana. A tentativa de resgatar esse fato (a fala do presidente da CUT) tem o objetivo muito claro que é de colocar panos quentes nas denúncias e na visibilidade que está tendo a corrupção dentro desse governo."

Na mesma linha de argumentação, a presidente nacional do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Luciana Santos, diz que o indiciamento do presidente da CUT faz parte da reação das forças políticas que ficaram inconformadas com a derrota para o segundo mandato da presidente Dilma. De acordo com Luciana, esse é um conluio ao qual aderiram a mídia, o Judiciário e os órgãos de controle.

"A estratégia da retaliação é agir com autoritarismo em uma agenda que não contou com o crivo das urnas. A criminalização dos movimentos sociais é uma forma de tentar nos calar, mas nós não vamos nos calar. Pelo contrário. Vamos agigantar as reações."

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала