- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Brasil: ministro da Educação nega ter recebido propina de empreiteira

© Wilson Dias/Agência BrasilMinistro da Educação, Mendonça Filho
Ministro da Educação, Mendonça Filho - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O ministro da Educação, Mendonça Filho, negou ter recebido doações ilegais da UTC Engenharia em sua campanha para a Câmara dos Deputados em 2014, segundo informou a Agência Brasil.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, fala à imprensa no Congresso Nacional, sobre o encontro com a presidenta Dilma Rousseff no Palácio do Planalto. - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
PGR apresenta terceira denúncia contra Cunha na Lava Jato ao STF
A denúncia de suposto repasse ilegal a Mendonça Filho foi feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em documento enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) em janeiro e tornado público na última sexta-feira (17 de junho),  após a retirada de sigilo. A UTC é citada na Operação Lava Jato.

Segundo Janot, foram encontrados indícios de possível recebimento de propina por parte do deputado federal José Mendonça Bezerra Filho, do DEM/PE, consistente em imagem arquivada em um dos celulares apreendidos em poder de Walmir Pinheiro [ex-diretor da UTC]." 

Em nota publicada em sua página no Facebook, o ministro nega qualquer irregularidade ligada à UTC e diz que a empreiteira não fez aportes diretos a sua candidatura.

“A campanha de 2014 do então deputado federal Mendonça Filho não recebeu doação da UTC. O deputado foi, à época, procurado por interlocutores da UTC oferecendo doação legal no valor de R$ 100 mil. Neste contato, Mendonça Filho disse que não queria essa doação, mas se a empresa quisesse doar para o partido o fizesse. A doação foi feita ao partido de forma legal e está registrada na prestação de contas do partido de 2014, junto a Justiça Eleitoral”, diz o texto.

Na nota, Mendonça Filho cita doações da Queiroz Galvão e da Odebrecht, também envolvidas na Lava Jato, e diz que todas foram feitas legalmente e registradas na Justiça Eleitoral.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала