China oferece componentes eletrônicos em troca de motores para foguetes

Nos siga noTelegram
A China está pronta a fornecer à Rússia componentes eletrônicos resistentes à radiação, usados na construção de espaçonaves, em troca da tecnologia da construção de motores para os foguetes de combustível líquido, disse um alto funcionário da Roscosmos.

No ano passado o vice-presidente do Governo russo, Dmitry Rogozin, e o seu colega chinês, Wang Yang, discutiram os detalhes do acordo.

“Os nossos parceiros chineses querem a tecnologia de produção de motores de oxigênio líquido. Em troca, estão prontos a dividir conosco o know-how das peças eletrônicas usadas na construção de espaçonaves”, disse o alto funcionário.

No entanto, tal troca não parece ser equilibrada.

Foguete Soyuz-2.1а na base de lançamento Vostochny - Sputnik Brasil
Tudo a postos para lançamento de foguete portador no cosmódromo Vostochny
Ele adicionou que, enquanto a Rússia permanece o líder reconhecido em todo o mundo na área dos motores de combustível líquido, a China ainda não consegue reproduzir as tecnologias mais avançadas dos EUA e, por isso, ele pensa que não há razões suficientes para tal troca.

Esta opinião corresponde à posição oficial da agência espacial da Rússia, Roscosmos.

“A China nunca subscreveu o Regime de Controle das Tecnologias de Mísseis, e agora estamos trabalhando com os colegas chineses para colocar tudo em ordem, segundo os acordos internacionais. Esperamos que encontrem uma solução mutuamente aceitável neste ano”, declarou a Roscosmos.

Primeiro-ministro russo Dmitry Medvedev - Sputnik Brasil
Medvedev: 'Rússia não desiste dos seus planos de exploração do espaço'
Em 2014 a China manifestou interesse na produção de motores de foguetes no seu território e também na obtenção de know-how dos sistemas da defesa antimísseis e na construção de helicópteros pesados.

Por seu turno, a China ofereceu os componentes eletrônicos, usados na construção das espaçonaves, que a Rússia precisava depois de os EUA terem terminado a sua venda devido às das sanções internacionais contra Moscou.

A Rússia e a China estão discutindo a cooperação estreita na área do posicionamento por satélite (GLONASS e BeiDou), monitoramento remoto da superfície da Terra e exploração da Lua.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала