- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

No Dia do Cosmonauta, Brasil e Rússia também comemoram cooperação na área espacial

ENTREVISTA COM JOSÉ RAIMUNDO COELHO
Nos siga noTelegram
“A cooperação espacial entre Rússia e Brasil está num nível cada vez mais elevado, com grandes ganhos para os dois países.” A afirmação é de José Raimundo Coelho, diretor-presidente da AEB – Agência Espacial Brasileira, na data em que se comemora o voo pioneiro de Yuri Gagarin ao espaço.

José Raimundo Coelho se manifestou por ocasião do Dia do Cosmonauta e da Cosmonáutica na Rússia, em homenagem a Gagarin, o primeiro ser humano a viajar ao espaço, em 12 de abril de 1961. Na entrevista que concedeu à Sputnik Brasil, o físico destacou que a Rússia vem implantando no Brasil o seu sistema de navegação por satélite, Glonass, mediante acordos da Roscosmos com universidades. Além disso, a Agência Espacial Russa vem franqueando acesso aos cientistas brasileiros e lhes permitindo aprofundar seus conhecimentos.

O diretor-presidente da AEB também enfatizou na entrevista que, “com apoio da Agência Espacial Brasileira, o Laboratório Nacional de Astrofísica (LNA) e a Roscosmos assinaram na quinta-feira, 7 de abril, em Itajubá, Minas Gerais, um acordo para instalação de um telescópio de monitoramento de lixo espacial”.

Nas palavras de José Raimundo Coelho, “o benefício deste acordo para o Brasil é essencialmente a utilização dos dados, manutenção e controle da estação de monitoramento”.

O Laboratório Nacional de Astrofísica terá o primeiro telescópio no país com participação no projeto Sistema Eletro-Óptico Panorâmico para Detecção de Detritos Espaciais (PanEOS), que será o segundo do projeto em operação. O primeiro fica nas montanhas de Altai, na Rússia.

Cosmonauta soviético Yuri Gagarin - Sputnik Brasil
Confira 9 fatos pouco conhecidos sobre Yuri Gagarin
Sobre o feito pioneiro da ciência soviética de 12 de abril de 1961, o  diretor-presidente da AEB afirma que “o voo de Yuri Gagarin tem várias implicações de ordem técnica e de ordem de visualização da importância do programa espacial no mundo todo. Do ponto de vista técnico, é uma grande conquista, porque a Rússia foi capaz de enviar um astronauta ao espaço, o que foi um grande feito. É claro que a presença de uma pessoa, pela primeira vez, no espaço tem uma ordem de grandeza enorme para o programa espacial do mundo todo, e isso levou outros países a querer fazer a mesma coisa. Com isso, aconteceu aquela grande corrida entre a na época União Soviética e os Estados Unidos, que levou a conquistas tecnológicas e científicas de grande porte. O pioneirismo da Rússia e da União Soviética é exemplar nessa área.”

O Dr. José Raimundo Coelho faz um histórico do início da conquista espacial:

“O acesso ao espaço, do ponto de vista científico, foi iniciado por um russo chamado Konstantin Tsiolkovsky, um cientista importante que disse para o mundo todo, com sua ciência, que era possível e como se deveria fazer. Temos o maior apreço por essa iniciativa. Digamos que a Agência Espacial Brasileira está sempre se congratulando com essa data.”

A respeito da cooperação entre Brasil e Rússia na pesquisa espacial, o presidente da AEB relaciona os momentos marcantes desse relacionamento:

“Há vários momentos que marcaram essa cooperação. Nós tivemos um acidente no nosso programa espacial em 2003, e depois disso fizemos uma parceria com a Rússia para nos ajudar a recuperar nosso modelo de Centro Espacial de Lançamento e também dos nossos lançadores que serão utilizados a partir do Campo de Lançamento de Alcântara. Houve ainda a possibilidade de alguns de nossos engenheiros, principalmente da Força Aérea, ficarem na Rússia por algum tempo e depois trazerem vários conhecimentos adquiridos ao longo desse tempo, e também alguns russos que ficaram aqui no Brasil. Esse foi o início da nossa relação na área espacial.”

José Raimundo Coelho revelou ainda que, mais recentemente, os dois países têm reforçado a sua relação na área espacial por meio de um convênio, de um acordo que a AEB assinou com a agência Roscosmos, tendo como princípio o acordo que deu origem também a uma iniciativa excepcional: a instalação de algumas estações de calibração em universidades e institutos no Brasil que servem para os russos calibrarem a precisão do sistema Glonass.

Marcos Pontes se preparando para a histórica Missão Centenário - Sputnik Brasil
Astronauta brasileiro Marcos Pontes homenageia primeiro cosmonauta, Yuri Gagarin
Ele explica que o Glonass é um sistema de navegação tipo GPS, e que é também utilizado para a calibração do GPS – os dois em atividade conjunta entre a Rússia, os Estados Unidos e o Brasil. Segundo o físico, o fundamento básico de uma cooperação como essa é o de os dois países estarem focados em iniciativas que são de interesses mútuos:

"Qual o interesse da Rússia em colocar essas estações aqui no Brasil? Ela precisa colocar essas estações em vários lugares do mundo para poder manter o seu sistema o mais preciso possível, e nós aceitamos essa cooperação, que é muito importante para a Rússia mas é importante para nós também porque nós colocamos isso em ambientes universitários e de pesquisas, e esses ambientes são próprios para a recepção de informações e de pesquisas nessa área. É bom para a Rússia e é bom para o Brasil” – explicou.

Painel de apresentação do GLONASS - Sputnik Brasil
Rússia irá desenvolver seu sistema de navegação por satélite Glonass em 36 países
Ainda mais recentemente aconteceu outra iniciativa no relacionamento Brasil-Rússia na área espacial. “É a observação de detritos espaciais”, conta José Raimundo Coelho. “É fundamental que nós mantenhamos sob controle essa quantidade enorme de milhões de detritos espaciais para poder, de alguma maneira, ter alguma noção do que está no espaço e onde nós possamos colocar nossos satélites e nossas estações espaciais para que não sejam atingidos pelos detritos. Esses detritos viajam em órbita da Terra numa velocidade de quase 30 mil km/h, e qualquer pequeno detrito do tamanho de uma bolinha de tênis, se colidir com uma nave espacial ou com um satélite, pode causar um dano irrecuperável. É necessário se montar um sistema no planeta que observe a movimentação desses detritos e oriente os nossos satélites e nossas estações para que não colidam com esses detritos. Essa é a ideia. Nós instalamos isso em um local importante do ponto de vista técnico e tecnológico para a Rússia, mas também importante para o conhecimento e o desenvolvimento de pesquisas em torno desses dados e de suas aplicações. Essa é a grande vantagem, trabalhar com iniciativas que sejam de interesse mútuo.”

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала