Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Crimeia esnoba energia elétrica da Ucrânia: 'Não precisamos dela'

© Sputnik / Sergey MalgavkoMesquita do vilarejo de Levadki, próximo à cidade de Simferopol, na Crimeia
Mesquita do vilarejo de Levadki, próximo à cidade de Simferopol, na Crimeia - Sputnik Brasil
Nos siga no
A Crimeia não precisa que a Ucrânia volte a fornecer energia elétrica para a península, segundo anunciou nesta quarta-feira (30)o vice-premiê da república russa, Mikhail Sheremet.

A Crimeia não precisa que a Ucrânia volte a fornecer energia elétrica para a península, segundo anunciou nesta quarta-feira (30)o vice-premiê da república russa, Mikhail Sheremet.

"Rejeitamos definitivamente a eletricidade ucraniana, não precisamos dela. O fornecimento de energia elétrica da Ucrânia é um assunto arquivado, não está na ordem do dia", afirmou o funcionário ao comentar o anúncio de que técnicos ucranianos haviam restaurado três linhas de transmissão entre a Ucrânia e a península e poderiam colocá-las em serviço em questão de horas.

Para Sheremet, na Ucrânia "não há ninguém com quem negociar ou celebrar acordos".

"Um dia te fornecem energia e no dia seguinte explodem as torres (de alta tensão)", acrescentou.

As autoridades da Crimeia, continuou o vice-primeiro-ministro, apostam exclusivamente no abastecimento feito pela Rússia, bem como no desenvolvimento de capacidades próprias da região.

Habitantes de Sochi perto do símbolo dos Jogos Olímpicos em um dos parques da cidade de Sochi (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Crimeia poderá sediar Jogos Olímpicos daqui a 10 anos
A península, que se separou da Ucrânia há pouco mais de dois anos após um referendo, foi deixada sem eletricidade na madrugada do dia 22 de novembro, depois de terem sido dinamitadas várias torres de alta tensão no sul da Ucrânia que distribuíam energia para a região.

A Rússia, em resposta, acelerou a construção de linhas de transmissão subaquáticas através do Estreito de Kerch. As duas primeiras, com capacidade total de 400 megawatts, entraram em serviço em dezembro passado. Outras duas, com a mesma capacidade, deverão estar operacionais em abril ou maio, o que permitirá à Crimeia prescindir de energia importada. 

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала