Computador impede teste de artilharia do Exército americano

CC BY 2.0 / DVIDSHUB / High Mobility Artillery Rocket systems
High Mobility Artillery Rocket systems - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Exército dos Estados Unidos pensou que havia chegado a hora do esperado teste de seu Sistema de Artilharia de Foguetes de Alta Mobilidade (HIMARS, na sigla em inglês) na Base Conjunta Lewis-McChord (JBLM), mas o sistema de computadores impediu o exercício.

Nuvem após teste nuclear americano em 17 de janeiro de 1962 - Sputnik Brasil
EUA suspendem 14 militares em base de armas nucleares por abuso de cocaína
O teste tinha o objetivo de medir o nível de barulho nas comunidades próximas à JBLM, um centro de treinamento e mobilização localizado ao sul de Tacoma, no estado de Washington. É lá que o Exército pretende realizar o treinamento do HIMARS a partir de agora. 

Um terreno de mais de quatro mil metros quadrados teve todas árvores derrubadas antes do teste previsto para durar três dias, mas o computador não permitiu.

“Durante o ensaio, o computador de controle de disparos do HIMARS indicou que mais espaço livre (de árvores) pode ser necessário para garantir que os foguetes possam ser disparados com segurança e precisão”, disse o oficial de relações públicas da JBLM em comunicado.

Secretário de Defesa norte-americano Ashton Carter durante a entrevista coletiva, Washigton, EUA, agosto de 2015 - Sputnik Brasil
Pentágono: EUA não estão prontos para uma guerra contra Rússia
Especialistas no local estão tentando determinar se testes semelhantes podem ser realizados, mas nenhuma decisão foi tomada até agora. Se houver aprovação, os exercícios não serão iniciados antes de 22 de março.

Pode, contudo, haver um desafio adicional. A tribo indígena Nisqually se opõe aos testes do HIMARS até que um grande estudo ambiental seja realizado. Os nativos também estão preocupados com os níveis de barulho durante os testes.

A tribo decidiu enviar suas crianças e seus idosos para um retiro durante o período marcado para o teste, gastando cerca de US$ 76 mil. O chefe tribal, Farron McCloud, está convencido de que a JBLM vai cobrir os gastos, segundo relata o jornal News Tribune.


Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала