The Economist prevê crise de alistamento para as Forças Armadas dos EUA

© AFP 2022 / Johannes EiseleSoldados norte-americanos no Afeganistão
Soldados norte-americanos no Afeganistão - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os fracassos no Iraque e no Afeganistão aumentaram o abismo entre a sociedade civil e as forças armadas dos EUA, garante um artigo publicado pela revista The Economist. A publicação destaca que no futuro, provavelmente, os EUA serão incapazes de mobilizar números suficientes de recrutas para promover novos conflitos armados pelo mundo.

A revista cita as palavras do sargento Russell Haney, encarregado de recrutar jovens para o exército dos EUA. Segundo ele, a maioria dos norte-americanos adoram usar "palavras vazias" para referir-se com respeito ao serviço militar, enquanto, na prática, ninguém quer servir ao exército.

General Joseph Dunford - Sputnik Brasil
Rússia é maior ameaça para os EUA, diz general americano
The  Economist comprova tais declarações com números reais: até o fim do ano financeiro, ou seja, até 30 de setembro, quatro braços Forças Armadas dos EUA – Exército, Marinha, Força Aérea e Fuzileiros Navais – tinham planos de recrutar um total de 177 mil pessoas, principalmente com idades entre 17 e 21 anos. Todos, no entanto, enfrentaram dificuldades, e só conseguiram cumprir a meta "sacrificando" suas reservas.

Segundo dados da revista, até 2019 a quantidade de reservistas nos EUA terá o menor indicador desde os tempos da Segunda Guerra Mundial.

"Nós participamos de duas longas campanhas terrestres e a sociedade norte-americana tem uma relação muito positiva com as forças armadas, mas a maioria das pessoas perdeu totalmente o contato com o exército. Menos de 1% dos norte-americanos querem e podem servir" – confessou o general-major Jeffrey Snow, responsável pelo recrutamento de voluntários.

A publicação destaca que a tendência já se enraizou há tempos nos EUA. Desde que a obrigatoriedade do serviço militar foi abolida no país, em 1973, a experiência do serviço militar tem gradativamente deixado de fazer parte da vida da sociedade norte-americana. Se em 1990 pelo menos um dos pais de 40% dos jovens norte-americanos havia servido ao exército, em 2014 esse indicador baixou para 17%, e desde então continua a decair.

E a mesma tendência vem sendo observada no meio das autoridades do país. A revista destaca que em 1981 o Congresso era formado por 64% de pessoas que haviam prestado serviço militar. No Congresso atual essa parcela é apenas 18%.

Atentado suicida no Afeganistão (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
10 erros dos EUA no Afeganistão além do bombardeio de hospital
Mas, segundo o artigo, a crescente lacuna entre a sociedade e o exército dos EUA também pode ser explicada por outros fatores, como: cobertura negativa pela mídia das guerras no Iraque e no Afeganistão e uma péssima situação no sistema educacional do país, com destaque para a disciplina da edução física.

No primeiro caso, as catástrofes no Oriente Médio provam que as autoridades não estão dispostas em criticar a liderança militar ou monitorar mais efetivamente as suas atividades. Já a situação com a educação, coloca em questão o preparo dos EUA para as guerras do futuro.

Durante a Guerra da Coréia, cerca de 70 dos norte-americanos em idade militar serviam às forças armadas. Na época da Guerra do Vietnã a relação negativa da sociedade com o conflito e a possibilidade de deixar facilmente o exército baixaram o indicador para 43%. Atualmente, mesmo se todos os jovens do país quisessem servir, apenas 30% seriam aptos a fazê-lo, explica The Economist.

Guerra do Vietnã - Sputnik Brasil
Sputnik ajuda senador americano a lembrar piores momentos da história dos EUA
A publicação diz ainda que, em particular, dos 21 milhões de norte-americanos com idades entre 17 e 21 anos, 9,5 milhões de pessoas não passariam no teste elementar de preparo científico, seja por ter largado a escola, seja simplesmente porque grande parte da juventude do país é incapaz de realizar cálculos relativamente difíceis sem o auxílio da calculadora.

Outros sete milhões teriam sido considerados inaptos por motivos de obesidade, antecedentes criminais ou tatuagens nos braços ou rosto. Restam 4,5 milhões de cidadãos aptos ao serviço militar, mas dos quais apenas cerca de 390 mil têm vontade de servir. Sendo que, afirma The Economist, provavelmente, os melhores deles darão prioridade aos estudo em universidade ou trabalho em empresas privadas.

A publicação conclui que, dessa forma, a quantidade de futuros recrutas potenciais não atende às necessidades das Forças Armadas norte-americanas.

Do ponto de vista da redação, a próxima vez em que os EUA precisarem de um aumento brusco de alistamento, o mesmo se dará por motivo de alguma guerra muito mais brutal do que as que o país tem enfrentado nos tempos recentes.

O resultado disso, é que o EUA, possivelmente, serão incapazes de recrutar uma quantidade suficiente de soldados para tal guerra hipotética sem reintroduzir a obrigatoriedade do serviço militar ou sofrer gastos significativos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала