Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Alcançado controverso acordo sobre Parceria Transpacífico

© AFP 2021 / PAUL HANDLEY Manifestantes contra o acordo comercial de Parceria Trans-Pacífico nos EUA
Manifestantes contra o acordo comercial de Parceria Trans-Pacífico nos EUA - Sputnik Brasil
Nos siga no
O acordo, alcançado em um ambiente secreto, deverá cobrir cerca de 40 por cento da economia global.

Os ministros de comércio do Pacífico chegaram a um acordo que vai abolir as barreiras comerciais e estabelecer padrões comuns para 12 países (EUA, Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Singapura e Vietnã), disse à Reuters um oficial próximo das negociações na segunda-feira.

O acordo deverá ser votado no Congresso dos EUA no início do próximo ano.

Сartaz contra TiSA - Sputnik Brasil
WikiLeaks: Acordo da Parceria Trans-Pacífico pode resultar em pressão sobre BRICS
O acordo TPP foi negociado em segredo entre os Estados Unidos e 11 países da Ásia e do Pacífico. O controverso pacto de comércio deverá cobrir cerca de 40 por cento da economia global. As suas implicações ainda incertas para os direitos dos trabalhadores, o emprego e o ambiente têm causado fortes críticas dos sindicatos. 

"Os esforços para liberalizar o comércio bilateral através da Parceria Transpacífico, liderada pelos EUA, prejudica uma abordagem multilateral no comércio e contradizem o princípio do comércio internacional da não-discriminação", disse na quinta-feira o ex-diretor-geral para o ambiente da Comissão Europeia.

Karl Falkenberg, um conselheiro sênior para o Centro de Estratégia Europeia, acrescentou que o regresso ao bilateralismo nas negociações comerciais representa "uma contradição fundamental com o artigo 1º do GATT [Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio] e todos os princípios do multilateralismo, segundo os quais não pode haver discriminação".

Na última publicação de WikiLeaks se nota que muitos países, incluindo os membros dos BRICS — Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, não estão envolvidos nas negociações sobre o TiSA.  Isso pode ser interpretado como tentativa de criação de um contrapeso para esta associação.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала