Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Reportagem Sputnik: 'Quando houver paz na Síria, vocês não verão um só sírio na Europa'

© Sputnik / Ana OtasevicColuna de refugiados atravessa fronteira entre Sérvia e Hungria
Coluna de refugiados atravessa fronteira entre Sérvia e Hungria - Sputnik Brasil
Nos siga no
Dezenas de milhares de migrantes passam diariamente pela Sérvia em busca de um refúgio nos países da União Europeia. Para conhecer de perto as dificuldades e as duras condições enfrentadas por essas pessoas, a correspondente da Sputnik Ana Otasevic acompanhou-as no trajeto entre as cidades de Belgrado e Budapeste.

Imigrantes recebem alimentos em campo de refugiados da cidade de Calais, no norte da França - Sputnik Brasil
Mogherini: crise migratória afeta 12 milhões de pessoas
O percurso começou na capital da Sérvia, onde os migrantes ficam alojados em um parque próximo à faculdade de economia da Universidade de Belgrado. Ali, mais de 80% são sírios, embora também haja pessoas do Afeganistão, Somália, Eritreia e Senegal.

Segundo Ana, o maior medo dos refugiados é de não saber como continuar a viagem. Já bastante exauridos, ela conta que uma vez em Belgrado a maioria acredita que o objetivo está próximo, não se dando conta de que tudo está apenas começando.

"Aqui é preciso dizer “Acabou, não tem mais nada, espere" o tempo todo" – revelou a ativista de uma das organizações que diariamente visita os migrantes no parque para distribuir roupas, medicamentos, fraldas, xampus e outros itens de subsistência.

"Isso não pode continuar por muito tempo. A ajuda não pode partir apenas de pequenas organizações. Nós não somos capazes de suprir a quantidade necessária de camas e barracas. Não sei qual é a estratégia do país, mas muito em breve ficará difícil para controlar a situação" – diz a ativista.

A viagem seguiu de trem para um campo de refugiados na cidade de Kanjizha, localizada na fronteira sérvio-húngara, e onde Ana entrevistou uma família síria formada por pai, mãe, duas filhas e um filho pequenos.

"Elas estão tão calmas porque já se acostumaram a tudo" – disse a mãe das crianças.

Pope Francis - Sputnik Brasil
Papa alerta: crise de refugiados na Europa é apenas a ponta do iceberg
Cinco anos após o início da guerra, essa família contou ter deixado o seu país de origem para fugir do regime de Bashar Assad e do Estado Islâmico. Em Aleppo e outras cidades tomadas pelo EI, eles contaram que as mulheres foram proibidas de sair às ruas sem ter seu rosto coberto, podendo ser punidas com chibatadas em caso desobediência à tal regra.

Seus objetivos agora são de conseguir chegar à Dinamarca, de ver seus filhos indo à escola e de finalmente conquistar a liberdade após todas as provações passadas.

Indagado sobre as dificuldades de ter precisado deixar sua pátria em troca de condições de vida decentes, o pai da família respondeu:

"Difícil, os nossos corações doíam, mas não tínhamos escolha. Se nós não tivéssemos filhos, nós nunca teríamos deixado a Síria. Acreditem, quando houver paz na Síria, vocês não verão um só sírio na Europa. Nós somos muito apegados ao nosso país, à nossa terra natal".

Migrantes e policiais perto da fronteira entre a Hungria e Sérvia, aldeia  Roszke, 7 de setembro de 2015 - Sputnik Brasil
Países da União Europeia reintroduzem controle fronteiriço
No acampamento, Ana também entrevistou Kemal Al-Shairi, tradutor do Centro Balcânico de Migração e Atividade Humanitária de origem líbia e sérvia, e que trabalha com refugiados desde início de agosto deste ano. Àquela altura, ele conta que o acampamento tinha condições tão precárias que as pessoas precisavam dormir no chão a céu aberto.

Segundo ele, barracas, leitos, banheiros e chuveiros foram instalados no local não faz muito tempo, quando a comida também começou a ser fornecida de forma mais constante pela Cruz Vermelha.

"O mais difícil é quando você é agradecido por coisas banais, como, por exemplo, papel higiênico. A pessoa pede um rolo de papel, e quando você o entrega, ela te agradece como se você lhe tivesse doado o seu rim. Agora, fica claro o tanto de coisa por que eles tiveram que passar" – contou Kemal.

Ele disse ainda ter ouvido informações de que atualmente encontram-se na fronteira entre Turquia e Sérvia cerca de 2,5 milhões de refugiados.

"O meu medo é com relação à chegada do frio. É um local aberto, aqui os ventos são fortes, o inverno no norte da Sérvia é muito frio. Não quero nem pensar no que pode acontecer com eles" – disse o ativista.

Ele contou que o acampamento carece de comida, medicamentos, roupas, calçados e tradutores, e que as breves visitas de políticos ao local levam mais um caráter simbólico do que prático, o principal trabalho ficando por conta de voluntários.

Apesar de parecer próxima, os migrantes são separados da União Européia por uma cerca metálica na fronteira da Hungria – símbolo do medo dos europeus diante do enorme fluxo de migrantes do Oriente Médio e Norte da África.

Polícia da Hungria barra passagem a imigrantes - Sputnik Brasil
Hungria fecha passagem a imigrantes
A grande preocupação dos migrantes é justamente com relação à travessia da fronteira húngara e ao procedimento do cadastro das impressões digitais, explicou Kamal. "Se as impressões digitais forem tiradas, o único país a aceitá-los [migrantes] passará a ser a Alemanha. Os outros países os enviarão de volta para a Hungria. Esta, por sua vez, seguindo o acordo de readmissão, irá devolvê-los para a Sérvia, ou seja, de volta para o local de onde ele vieram".

Um dos refugiados, Assad Omar, que se identificou como curdo-sírio e contou ter carregado seu filho doente de câncer por cinco dias nas suas costas, revelou ainda que muitos temem que a Hungria possa fechar suas fronteiras de vez. A esperança de muitos, segundo ele, são os contrabandistas, mas, diante de tanta gente, mesmo estes são difíceis de serem encontrados.

Outro fato relevante revelado por Omar foi a sua surpresa de ter encontrado muitos iranianos, paquistaneses e afegãos dentre os migrantes.

"Nós fugimos do nosso país por causa da guerra, nós tentamos salvar as nossas crianças, mas eu não entendo o porquê de tantas pessoas de outros países estarem fugindo comigo para a Europa. Para entrar na Europa muitos se identificam como sírios. Eles causam muitos problemas para nós. Já tivemos conflitos por aqui por conta disso" – se queixou Omar.

Campo de concentração Auschwitz, Polônia. Museu desde 1947 - Sputnik Brasil
Refugiados são alojados em campo de concentração
No quarto dia de viagem Ana atravessou a fronteira da Hungria junto a um grande grupo de pessoas. Após cruzar o posto de controle e seguir por quilômetros uma linha férrea carregado de mochilas, sacolas enormes e tudo quanto possível de carregar nas mãos, o grupo chegou ao acampamento Reske, localizado em meio a uma paisagem campestre. É dali que, não faz muitos dias, partiram as chocantes e desumanas imagens da jornalista húngara Laszlo Peter chutando migrantes, inclusive crianças, enquanto estas tentavam fugir da polícia local.

Se de longe o acampamento tem a aparência de um grande festival de música cheio de tendas, de perto, revela Ana, o local se assemelha mais a uma zona de quarentena, onde policiais usam máscaras e luvas de borracha para evitar problemas durante o contato com os refugiados.

© Sputnik / Ana OtasevicPosto de controle de migrantes em campo de refugiados na Hungria
Posto de controle de migrantes em campo de refugiados na Hungria - Sputnik Brasil
Posto de controle de migrantes em campo de refugiados na Hungria

Dali, as pessoas são conduzidas para ônibus e levadas para um centro especial de cadastro. Outras, no entanto, preferem evitar o acampamento para tentar a sorte em caminhos alternativos, através de bosques e campos. O seu objetivo, conta Ana, é de deixar a Hungria por conta própria o mais rápido possível até 15 de setembro, quando entrará em vigor uma nova lei punindo com até três anos de prisão a entrada ilegal no território do país.

Enquanto isso, novos campos para refugiados cercados por arame farpado e devidamente preparados para forças de segurança estão sendo construídos na fronteira entre Sérbia e Hungria.

© Sputnik / Ana OtasevicCerca de arame farpado erguida na fronteira entre Sérvia e Hungria
Cerca de arame farpado erguida na fronteira entre Sérvia e Hungria - Sputnik Brasil
Cerca de arame farpado erguida na fronteira entre Sérvia e Hungria

"O governo da Hungria irá considerar Sérvia, Macedônia e Grécia como países "confiáveis". Isso significa que eles irão negar pedidos de asilo e enviar os refugiados de volta para esses países. Para facilitar esta operação, eles irão construir um grande centro de trânsito no qual as pessoas serão detidas após cruzar a fronteira" – explicou Kamiy Turnbiz, da Organização de Solidariedade com Migrantes, envolvida com a crise migratória desde o seu início e empenhada em documentar violações de direitos dos refugiados por parte das autoridades húngaras.

Até lá, a Hungria está finalizando os trabalhos para fechar com arame farpado as últimas brechas de entrada de refugiados através da fronteira com a Sérvia. Segundo a correspondente da Sputnik, Ana Otasevic em alguns trechos da cerca é possível ver pendurados pedaços de roupas – vestígios de tentativas bem ou mal sucedidas dos refugiados em transpor um muro de dois metros de altura.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала