Militantes do EI propagam AIDS no leste da Síria

© REUTERS / Khalil AshawiOs militantes da Frente Nusra da Al Qaeda
Os militantes da Frente Nusra da Al Qaeda - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
De acordo com relatos da mídia, a maior parte dos soropositivos são mercenários estrangeiros. A maior parte dos infectados são viciados em drogas. A doença também se espalha devido à poligamia e à escravidão sexual.

Mais de 16 casos de HIV (vírus de imunodeficiência humana, que provoca o síndrome de imunodeficiência adquirida, AIDS) foram detectados nas fileiras dos militantes do grupo terrorista Estado Islâmico, baseado na cidade de Mayadin no leste da Síria, segundo informou a agência síria independente ARA News.

De acordo com esta fonte, os militantes, a maioria dos quais são mercenários estrangeiros, foram colocados em quarentena em um hospital local.

O jornal britânico Daily Mail, citando o representante do grupo de ativistas antiterroristas locais, informou que os líderes do EI forçam os militantes soropositivos a se tornarem homens-bomba. 

Smartphone. - Sputnik Brasil
Sensor russo capaz de descobrir câncer e AIDS poderá ser instalado em smartphones

Casos de AIDS não são raros nas fileiras dos militantes do EI, muitos deles são viciados em drogas ou têm antecedentes criminais. A doença está se espalhando rapidamente, porque no território ocupado por extremistas se praticam a poligamia e a escravidão sexual.

O grupo terrorista Estado Islâmico (proibido na Rússia) hoje é uma das principais ameaças à segurança global. Em três anos, os terroristas conseguiram ocupar grandes áreas no Iraque e na Síria. Além disso, eles tentam espalhar a sua influência pelos países do Norte da África, em particular pela Líbia. Os terroristas anunciaram a criação do califado com as suas próprias leis e autoridades. 

Café italiano - Sputnik Brasil
EI recruta migrantes na Itália preparando 'Califado Cappuccino'

Os dados sobre o número de extremistas na organização também variam de 50 para 200 mil combatentes. Não há uma frente unida na luta contra o EI. As forças governamentais da Síria e do Iraque bem como a coalizão internacional liderada pelos EUA (até agora realiza apenas ataques aéreos), os curdos e os xiitas libaneses e a milícia iraquiana estão lutando contra o grupo terrorista. Na sequência dos ataques militares centenas de milhares de civis foram mortos e milhões tornaram-se refugiados.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала