EUA terão advertido Coreia do Sul contra participação na Parada da Vitória chinesa

© AFP 2022 / Jim WATSONA presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, participa na coletiva com o presidente dos EUA, Barack Obama, na Casa Azul em Seul. 25 de abril, 2014.
A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, participa na coletiva com o presidente dos EUA, Barack Obama, na Casa Azul em Seul. 25 de abril, 2014. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A decisão definitiva sobre a visita da presidente sul-coreana, Park Geun-hye, à China e a sua participação na Parada da Vitória deve ser tomada até finais da semana que vem. A respetiva declaração foi feita durante um briefing nesta segunda-feira (10) pelo representante oficial do presidente, Min Kyung-wook.

A declaração veio em meio de especulações sobre a possibilidade de participação da presidente nos eventos comemorativos da Segunda Guerra Mundial e da vitória chinesa na Segunda Guerra Sino-Japonesa. 

Tanques chineses T-62 - Sputnik Brasil
China prepara demonstração de força militar em sua Parada da Vitória
No domingo (9) o governo da Coreia do Sul negou oficialmente o envolvimento de Washington no processo de tomada da decisão sobre a visita da presidente a Pequim em 3 de setembro para participar na parada. 

Enquanto isso, no sábado, 8 de agosto, a agência noticiosa japonesa Kyodo divulgou a informação de que a administração norte-americana teria exigido de Park Geun-hye não participar na parada.

A Casa Branca ameaça que o mundo poderia considerar que a China destruiu a aliança entre os EUA e a Coreia do Sul.

O chefe do Centro de Pesquisas Coreanas do Instituto de Estudos Orientais da Academia de Ciências russa, Aleksandr Vorontsov, fez o paralelo com a situação quando os EUA fizeram pressão sobre líderes ocidentais para eles não participarem na Parada da Vitória realizada em 9 de maio em Moscou.

Na altura, a atual política ocidental em relação à Rússia privaram muitos da possibilidade de visitar Moscou e de reconhecer a contribuição do Exército Vermelho para a vitória sobre fascismo durante a Segunda Guerra Mundial:

“A história parece se repetir. É muito estranho que Seul ainda não tenha decidido se a presidente da Coreia do Sul visitará Pequim ou não.[…] E o fato de que a questão ainda não foi decidida, claro, pode ser provocado pela pressão exagerada de Washington em Seul.”

O vice-decano do Instituto das Relações Exteriores da Universidade do Povo da China, Jin Canrong, comentou a situação à Sputnik:

“A China quer sublinhar que no seu território aconteceram acontecimentos maiores da guerra contra fascismo no Oriente, semelhante ao da União Soviética, que foi participante importante da resistência militar ao fascismo no Ocidente. Mas a vinda de representantes estrangeiros não tem uma importância tão grande para a China. Se a líder da Coreia do Sul vier à Pequim, nós, claro, vamos saudar a decisão. Mas se não, tudo bem.”

Soldado na praça Tiananmen - Sputnik Brasil
Japão tenta evitar presença nas celebrações do Dia da Vitória na China
A publicação chinesa Global Times noticiou segunda-feira que a lista de participantes da Parada da Vitória em Pequim conta com, pelo menos, 50 líderes mundiais. A participação do presidente da Rússia, Vladimir Putin, já foi confirmada. Os chefes de outros Estados-membros da Organização de Cooperação de Xangai (SCO) – China, Cazaquistão, Quirguistão e Tajiquistão também já confirmaram a sua participação, juntamente com o líder da Mongólia.

A publicação chinesa opina que a questão é vista por Washington através da cooperação militar com o Japão. Na semana passada, o chanceler chinês, Wang Yi, declarou após o encontro com o seu colega norte-americano, John Kerry, que o presidente dos EUA, Barack Obama, ainda não tomou a decisão quanto à participação nos eventos em Pequim.

A agenda do premiê do Japão, Shinzo Abe, não inclui qualquer visita à China, segundo divulgou Wang Yi.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала