Putin sobre Crimeia: Rússia irá até o fim, defendendo seus interesses

© Sputnik / Artem Zhitenev / Abrir o banco de imagensGrafiti patriótico relacionado à reintegração da Crimeia à Rússia
Grafiti patriótico relacionado à reintegração da Crimeia à Rússia - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente russo, Vladimir Putin, declarou que a Rússia irá até o fim para defender os seus interesses: ele acredita que a situação da reintegração da Crimeia à Rússia foi conduzida de forma correta, e não se arrepende de nada.

No documentário "O Presidente", transmitido pelo canal Rossiya 1 por ocasião do 15º aniversário de sua ascensão aos altos escalões do Estado russo, Putin contou que o mais importante era entender o que os habitantes da Crimeia queriam para si.

Cidade de Sevastopol na Crimeia - Sputnik Brasil
Político europeu: Ocidente não planeja pressionar Rússia para devolver a Crimeia
"Eu falei para eles que essa é uma questão vital para nós – as pessoas. Eu não sei que interesses vocês irão defender, mas nós, defendendo os nossos, iremos até o fim. E isso é uma questão de extrema importância" – disse Putin.

O presidente destacou que Moscou não podia abandonar as pessoas que queriam voltar para a Rússia e que não queriam ser subjugados ao poder de ultranacionalistas e seguidores de Stepan Bandera (líder ucraniano de extrema direita, apontado por muitos como um colaborador da Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial).

"Não é porque nós queremos tomar algo. E nem mesmo porque a Crimeia tem uma importância estratégica no mar Negro. Mas porque trata-se de um elemento de justiça histórica. Acredito que nós agimos de forma correta, e não me arrependo de nada" – destacou Vladimir Putin.

Comício-concerto “Somos juntos” em homenagem a reunificação da Crimeia com a Rússia decorre na praça Vasilevsky Spusk, junto ao Kremlin em Moscou - Sputnik Brasil
Primeiro aniversário da adesão da Crimeia à Rússia
A Crimeia e a cidade de Sebastopol adotaram declarações de independência em 11 de março de 2014. Cinco dias depois, realizaram um referendo no qual 96,77% dos habitantes da Crimeia e 95,6% dos eleitores de Sebastopol escolheram se separar da Ucrânia e se juntar à Rússia. O presidente russo, Vladimir Putin, assinou os acordos de reunificação em 18 de março do mesmo ano.

O ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou em diversas ocasiões que os habitantes da Crimeia escolheram o seu destino através de um pleito democrático realizado em conformidade com todas as normas do direito internacional e a Carta da Nações Unidas. Kiev, por sua vez, considera a Crimeia um território ucraniano temporariamente ocupado.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала