Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Não adianta lidar com ameaças inventadas, diz chanceler russo

© Sputnik / Ilia Pitalev / Abrir o banco de imagensSergei Lavrov na IV Conferência sobre a Segurança Internacional
Sergei Lavrov na IV Conferência sobre a Segurança Internacional - Sputnik Brasil
Nos siga no
É preciso solucionar problemas relacionados com ameaças reais, e não imaginadas, adverteu nesta quinta-feira o chanceler russo, Sergei Lavrov, durante a sua intervenção na IV Conferência sobre a Segurança Internacional, que está tendo lugar em Moscou.

De acordo com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, "o Oriente Médio, o norte africano são ameaças reais, e é preciso tratar delas sem perder tempo com as inventadas".

Já a crise ucraniana, frisou Lavrov, não tem solução militar:

"Não existe uma alternativa sensata à regulação pacífica da crise interna ucraniana, regulação baseada no cumprimento total e incondicional dos Acordos de Minsk. É necessário começar um processo político real, e não decorativo, da implementação da reforma constitucional, tendo em conta os interesses de todos os cidadãos da Ucrânia".

Linha Direta com Vladimir Putin - Sputnik Brasil
Putin: Rússia nunca quis impor à Ucrânia um modo de agir
De acordo com o chanceler russo, "nós estamos agora assistindo a tentativas de criar linhas de separação na Europa" e, ao mesmo tempo, à chegada da OTAN mais perto das fronteiras da Federação da Rússia. Já a própria OTAN interpreta isso como "aproximação da Rússia da porta da OTAN", notou Lavrov.

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, a "construção da estabilidade", criada depois da Segunda Guerra Mundial, "ficou inclinada". A causa disso é o desejo de aqueles que se consideram vencedores da Guerra Fria de "impor a sua vontade aos outros, interferindo-se nos assuntos internos de Estados soberanos".

Shoigu acredita que as "revoluções laranja" (como a ocorrida na Ucrânia no ano passado, que terminou em golpe de Estado e guerra civil que não cessou até hoje) são um resultado desta política.

"A imposição pela força da "escolha europeia" por Kiev já levou as vidas de mais de 6 mil pessoas. Quantas mais vítimas são precisas para fazer os ucranianos do sudeste do país se sentirem europeus?", disse o ministro.

A igualdade nos assuntos de segurança não só preocupa a Rússia. A China, a Sérvia, a Bielorrússia e outros países também manifestaram-se a favor da solução pacífica da situação na Ucrânia e do aumento da presença das forças da OTAN na Europa.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала